Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Centenas são detidos em Moscou em protesto de apoio a jornalista preso sob falsas acusações

media Centenas de pessoas foram detidas em Moscou durante manifestação de apoio ao jornalista Ivan Golounov (12/6/19). REUTERS/Shamil Zhumatov

A polícia russa anunciou que deteve para interrogatório nesta quarta-feira (12) cerca de 400 pessoas, incluindo o opositor Alexei Navalny. Elas manifestavam para pedir sanções contra policiais suspeitos de terem montado um falso caso contra o jornalista Ivan Golunov, acusado de tráfico de drogas e libertado posteriormente.

Sob pressão da opinião pública, a polícia anunciou na véspera o abandono do caso contra o jornalista, especializado em investigações de corrupção. Golunov foi solto, mas seus simpatizantes continuaram na rua, pedindo que os responsáveis pelo caso fossem levados à justiça.

Um jornalista da agência Reuters viu Alexei Navalny sendo levado por policiais em um furgão. Segundo outros jornalistas, mais de mil manifestantes estavam concentrados no centro de Moscou, gritando palavras de ordem como “A Rússia vai ser livre” e “Rússia sem Putin”. Alguns vestiam camisetas com os dizeres “Eu sou/Nós somos Ivan Golunov”. As autoridades já tinham prevenido os manifestantes de que os protestos seriam ilegais e poderiam ser considerados como ameaça à ordem pública.

"O que aconteceu com Ivan Golunov ocorre todos os dias em todo o país. Há várias histórias de drogas (falsas) como esta. Tivemos a sorte de que o soltaram, mas foi apenas uma pequena vitória. A guerra não foi vencida", disse à AFP Egor, de 15 anos.  "Vim porque ainda temos muitas pessoas detidas injustamente. Há muitos casos injustos", afirmou Liudmila, uma engenheira aposentada de 83 anos.

Outras prisões arbitrárias

A organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF), apesar de comemorar o "nível histórico de pressão da sociedade civil russa" pela libertação de Ivan Golunov, lembrou que seis outros jornalistas permanecem detidos por várias acusações na Rússia.

"A prisão de Ivan Golunov destaca a completa impunidade de policiais corruptos", disse a RSF em um comunicado. "Se o comportamento deles chocou Moscou, é bastante comum no resto da Rússia".

Armação

Preso em 6 de junho em Moscou por policiais que afirmaram ter encontrado grandes quantidades de drogas em sua mochila e depois em seu apartamento, Ivan Golunov foi colocado em prisão domiciliar no sábado (8).

Na terça-feira (11), as autoridades russas retiraram as acusações de tráfico de drogas e o deixaram em liberdade.

Desde quinta-feira da semana passada existiam muitas dúvidas sobre as circunstâncias da detenção e a veracidade das acusações contra o jornalista do site independente Meduza, conhecido por reportagens sobre casos de corrupção que envolvem autoridades e matérias sobre fraudes em setores como o microcrédito.

O jornalista de 36 anos saiu da delegacia e, sem conter as lágrimas, agradeceu a solidariedade nacional e internacional. Ele prometeu prosseguir com o trabalho de investigação.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.