Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Berlim comemora 70 anos do fim do bloqueio soviético

media Alemães visitam um dos "bombardeiros de uvas passas" que participaram da operação dos aliados em Berlim, durante a Guerra Fria. REUTERS/Hannibal Hanschke

A capital alemã celebra neste domingo os 70 anos do fim do bloqueio da cidade pela União Soviética, um importante episódio da Guerra Fria. Dezenas de milhares de pessoas assistiram às comemorações no antigo aeroporto de Tempelhof, agora transformado em parque urbano. O local foi palco de uma operação aérea de 15 meses efetuada pelos Aliados, após o fim da Segunda Guerra Mundial.

O herói da época, um dos primeiros pilotos que abasteceram a população do oeste da cidade com doces e provisões, participou das comemorações, apesar da idade avançada. "Os heróis da ponte aérea de Berlim não eram as pessoas que traziam comida, mas as pessoas no solo, que se defendiam", conta Gail Halvorsen, de 98 anos.

Apelidado de "Tio que bate asas" e "chocolate voador" pela população local, Halvorsen participou da famosa "Operação Víveres", a ponte aérea de Berlim, entre junho de 1948 e setembro de 1949.

Milhares de aeronaves, principalmente britânicas e americanas, atenderam às necessidades dos mais de 2 milhões de habitantes de Berlim Ocidental, submetidos ao bloqueio terrestre e marítimo soviético. Com essa medida, a URSS pretendia assumir o controle dessa parte da cidade, administrada pelos aliados, e assim dominar toda a Alemanha Oriental.

Desde então, Halvorsen se tornou uma figura emblemática do imaginário da capital alemã, já que foi um dos primeiros pilotos dos "Rosinenbomber", os bombardeiros de uvas passas. Esse foi o apelido dado aos aviões militares dos aliados que lançavam doces para as crianças em pequenos paraquedas carregados com caramelos, uvas passas e chicletes.

Neste domingo, foram exibidos filmes originais do período nos telões. O evento também contou com shows, como da United States Air Forces in Europe Band e da cantora Susan Wheeler Martosko, e Halvorsen foi longamente aplaudido pela multidão.

Rasantes de doces

Na época, Gail Halvorsen explicou a algumas crianças perto do aeroporto que iria inclinar as asas de seu avião quando sobrevoasse a cidade, e que assim elas saberiam que ele jogaria comida. No final, ele fez escola. Os paraquedas, originalmente feitos com lenços ou mangas de camisa, foram aperfeiçoados e os lançamentos aumentaram graças ao entusiasmo midiático gerado pela operação nos Estados Unidos.

O ex-piloto americano, vestido com seu uniforme militar da época, voltou no sábado (11) a Tempelhof para uma primeira cerimônia em sua homenagem e visitou um campo de beisebol que leva seu nome, localizado no antigo aeroporto. Ele cumprimentou os berlinenses que viveram o auge da Guerra Fria. "Foram os pilares do confronto com a União Soviética", disse, acompanhado por suas filhas Denise Williams e Marilyn Sorensen.

"Melhor embaixador"

O veterano, que foi promovido a coronel e na década de 1970 retornou a Berlim como comandante do aeroporto de Tempelhof, autografou fotos e distribuiu doces para as crianças. "Peço aos jovens que mantenham a mente aberta para saber que alguns líderes conduzirão as pessoas livres na direção errada", alertou Halvorsen. "A liberdade é importante e às vezes você tem que lutar por ela", acrescentou.

Ele continua sendo uma figura muito popular entre os berlinenses que viveram naquela época, como Mercedes Wild, de 78 anos, que tinha sete anos quando escreveu ao piloto para se queixar que ainda não tinha conseguido pegar nenhum paraquedas com doces.

Para sua surpresa, ela recebeu uma carta do aviador, acompanhada de chicletes e de um pirulito, no que foi o início de uma longa amizade entre as duas famílias. "Ele se tornou uma figura paterna para mim. É o melhor embaixador que poderíamos ter para valorizar a amizade entre alemães e americanos", explicou.

No total, 277.000 voos distribuíram cerca de 2 milhões de toneladas de produtos básicos. Os pilotos teriam viajado 175 milhões de quilômetros e 78 pessoas perderam a vida. No final, o bloqueio foi levantado, sem condições.

  

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.