Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 14/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 14/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 14/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 14/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Humilhações e suposta agressão sexual mancham reputação de tradicional balé austríaco

media O balé da Ópera de Viena se orgulha de ter seus alunos dançando entre os maiores corpos de baile do mundo, como o Royal Ballet, o Kirov ou o American Ballet Theater. Wikipedia

A academia de balé da prestigiosa Staatsoper, a Ópera de Viena, foi fortemente acusada nesta quarta-feira (10) de maus tratos contra seus alunos, após revelações do semanário austríaco Falter.

Fundada em 1771 e responsável por 110 alunos entre 10 e 18 anos, a Staatsoper é considerada uma das melhores academias de balé da Europa, e atrai candidatos de todo o mundo. Mas, por trás da fachada “de ouro”, reinam condições de treinamento "dignas do século XIX", relata o jornal Falter após uma investigação completa.

Tapas, humilhações e um caso de agressão sexual valeram a esta instituição um inquérito investigado pela promotoria especializada em proteção de menores, revela o semanário em sua edição desta quarta-feira (10).

O diretor do Staatsoper, o francês Dominique Meyer, confirmou essa informação, ressaltando que o principal professor envolvido no caso havia sido demitido em janeiro. Ele disse que queria "esclarecer" essa questão.

Métodos “sádicos” e anorexia

A bailarina, cujo nome não foi revelado, é de origem russa e foi obrigada a praticar métodos "sádicos", segundo Falter, que ilustra seu argumento com uma foto mostrando os pés ensanguentados de uma jovem dançarina. Segundo a ex-bailarina austríaca Gabriele Haslinger, entrevistada pelo jornal, o professor em questão havia importado para Viena "métodos de treinamento soviético e da pedagogia czarista".

Além dos tapas, arranhões, beliscões e puxões de cabelo, os estudantes sofreram comentários humilhantes sobre seu físico e alguns entraram em estado de anorexia, diz Falter, que denuncia a falta de supervisão psicológica e dietética dentro do corpo de balé da academia. Meyer reconheceu na rede pública austríaca de televisão ORF que está ciente dos abusos cometidos há vários anos. "Eu me culpo por não ter demitido antes", disse.

A essas acusações acrescenta-se a de agressão sexual feita por um aluno a um dos professores, que foi demitido até os resultados finais da investigação. Em seu site, a academia de balé garante "atenção especial ao bem-estar físico e emocional dos alunos" e oferece "um ambiente positivo para o aprendizado".

O escândalo manchou a carreira do diretor do Staatsoper, Dominique Meyer, que deixará o balé no ano que vem, após dez anos como chefe da instituição. Os francês se candidatou agora à direção da Ópera de Paris.

O balé da Ópera de Viena se orgulha de ter seus alunos dançando entre os maiores corpos de baile do mundo, como o Royal Ballet, o Kirov ou o American Ballet Theater.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.