Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/10 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 20/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 20/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Advogada anticorrupção é favorita na eleição presidencial eslovaca

media Os candidatos presidenciais da Eslováquia Zuzana Caputova e Maros Sefcovic se preparam para um debate televisionado antes do segundo turno das eleições, no estúdio TV Markiza em Bratislava, Eslováquia, 26 de março de 2019 REUTERS/Radovan Stoklasa

Os eslovacos votam, neste sábado (30), no segundo turno das eleições presidenciais, em que uma ativista ambientalista e anticorrupção desponta como favorita.

Advogada especializada em meio ambiente, sem experiência política, Zuzana Caputova, de 45 anos, pode se tornar a primeira mulher presidente deste país membro da zona do euro, de acordo com as pesquisas, que atribuiu a ela mais de 60% das intenções de voto, contra o candidato apoiado pelo poder, o comissário europeu para a Energia Maros Sefcovic, de 52 anos.

No primeiro turno, Caputova, cujo slogan de campanha é "Vamos lutar contra o mal", obteve 40,53% dos votos, contra 18,66% para seu adversário.

No ano passado, a advogada participou das grandes manifestações contra o assassinato do jornalista investigativo Jan Kuciak, em protestos sem precedentes no país desde a queda do comunismo no início dos anos 1990.

Kuciak e sua mulher, Martina Kusnirova, foram assassinados em casa, em fevereiro de 2018. O jornalista deveria publicar um relatório sobre as relações entre políticos eslovacos e a máfia italiana, e também sobre fraudes nos fundos agrícolas europeus.

A onda de indignação que varreu o país levou à renúncia do primeiro-ministro Robert Fico, um aliado do atual primeiro-ministro, Peter Pellegrini.

Na segunda-feira, a candidata liberal recebeu o apoio de Jozef Kuciak, irmão do repórter assassinado. "Vou votar em Caputova. Não vou votar em uma pessoa apoiada por oligarcas e sua gente, que me tiraram meu irmão e minha cunhada", escreveu ele em sua página no Facebook.

Comparada a Macron

Analistas comparam Caputova ao presidente francês Emmanuel Macron, outro "outsider" que chegou ao poder em 2017 com um programa reformista.

"Uma história semelhante ocorreu na última eleição presidencial na França, onde o representante de uma nova tendência política e de um novo movimento político triunfou", apontou a analista Aneta Vilagi.

As promessas da candidata liberal, divorciada e mãe de dois filhos, incluem a proteção do meio ambiente, apoio aos idosos e justiça para todos.

"Eu pretendo implementar mudanças sistemáticas que impedirão que os promotores e a polícia tenham a menor influência política", disse Caputova.

Por sua parte, Sefcovic prometeu maiores benefícios sociais aos idosos e família jovens, o fortalecimento da política industrial e a revitalização do setor agrícola.

Os dois candidatos à presidência eslovaca são democratas e abertamente pró-europeus, algo que o atual presidente cessante do país, Andrej Kiska, parabenizou.

Exceto enorme surpresa, Caputova será a sucessora na presidência de Kiska, que também lhe expressou apoio.

Kiska é um milionário liberal que se distanciou do governo e não aspirou a um novo mandato por assuntos familiares.

O presidente eslovaco tem funções protocolares; não governa, mas ratifica tratados internacionais e nomeia os magistrados mais altos. Também é o comandante-chefe das Forças Armadas e tem o direito de veto.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.