Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/09 15h27 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/09 15h00 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Parlamento aprova adiamento do Brexit e May promete deixar o cargo mais cedo

media Theresa May ainda tenta convencer os parlamentares a aprovar o acordo do Brexit Parliament/Mark Duffy/Handout via REUTERS

A primeira-ministra britânica, Theresa May, anunciou nesta quarta-feira (27) aos deputados conservadores que, se conseguir aprovar o Brexit, deixará o cargo antes da próxima fase de negociação com Bruxelas. A promessa é feita pouco antes do Parlamento aprovar o adiamento temporário da saída do país da União Europeia.

"Sei que existe um desejo por uma nova abordagem e uma nova liderança na segunda fase das negociações do Brexit, e não vou ficar no caminho", disse Theresa May em uma reunião do Comitê 1922, que reúne deputados conservadores. "Estou preparada para deixar este trabalho antes do que pretendia para, deste modo, fazer o que é correto para nosso país e nosso partido", acrescentou, segundo comunicado de imprensa de seu gabinete de Downing Street.

A fragilizada líder britânica tenta arrecadar apoio para o impopular acordo de separação que alcançou com a União Europeia (UE) e que os parlamentares já rejeitaram duas vezes. Vários deputados que votaram contra o texto nos últimos dias sugeriram que agora podem respaldá-lo se May der um calendário para sua renúncia, permitindo que um novo líder dirija as negociações sobre a futura relação do Reino Unido com a UE.

"Sei que alguns se preocupam com o fato de que, se votarem pelo Acordo de Saída, eu tomarei isso como um mandato para passar rapidamente para a próxima fase sem o debate que temos de ter. Não farei isso", prometeu. "Mas precisaremos aprovar o acordo e entregar o Brexit", concluiu.

Logo em seguida, 441 deputados votaram a favor do adiamento temporário do Brexit, enquanto apenas 105 votaram contra. Todas as opções apresentadas durante o voto, inclusive a que propunha a realização de um referendo de confirmação para qualquer acordo de divórcio, foram rejeitadas.

Quem ficará no lugar de Theresa May

Paralelamente, já se especula em torno de um possível substituto para a primeira-ministra. O ex-prefeito de Londres e ex-ministro das Relações Exteriores, Boris Johnson, um dos pilares da vitória do Brexit no referendo de 2016, é um dos nomes mais cotados. O eurocético ministro do Meio Ambiente, Michael Gove, também aparece no páreo.

O minstro do interior e filho de um motorista de ônibus paquistanês, Sajid Javid, de 49 anos, também está entre as apostas daqueles que esperam um chefe de governo que represente um Reino Unido moderno e multicultural. Entre os outsiders, o destaque vai para o deputado Jacob Rees-Mogg, também de 49 anos, líder dos conservadores eurocéticos.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.