Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Parlamento britânico rejeita novamente acordo do Brexit

media Theresa May tentou convencer os parlamentares até o último minuto. UK Parliament/Jessica Taylor/Handout via REUTERS

A primeira-ministra britânica, Theresa May, sofreu nesta terça-feira (12) uma nova derrota histórica. Os deputados rejeitaram pela segunda vez seu controverso acordo do Brexit, que havia sido renegociado com Bruxelas. O país deve deixar a União Europeia no final do mês e a probabilidade de um divórcio sem nenhum tipo de compromisso é cada vez maior.

Faltando apenas duas semanas e meia para a data em que o Reino Unido deve deixar a União Europeia, em 29 de março, os deputados rejeitaram este "acordo melhorado" por 242 votos a favor e 391 contra. No primeiro voto, em janeiro, 432 deputados votaram contra e 202 a favor do texto.

Na abertura de cinco horas de debate parlamentar, a primeira-ministra conservadora, visivelmente cansada e afônica, advertiu que em caso de repúdio do texto, o Reino Unido se arriscaria “a um Brexit sem acordo ou nenhum Brexit".

May tentou salvar o texto, um calhamaço de 585 páginas, fruto de um ano e meio de negociações árduas, até o último minuto. Perto da meia-noite, ela e o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, chegaram a anunciar em Estrasburgo, no norte da França, mudanças de última hora sobre o ponto mais conflituoso: a questão da fronteira da Irlanda do Norte - que é parte do Reino Unido - com a República da Irlanda, membro da União Europeia. Esse é o único limite terrestre entre os dois lados e ambos querem evitar a volta de controles rígidos para a entrada e saída de produtos e cidadãos.

Mas as mudanças anunciadas não foram suficientes para mudar a opinião dos parlamentares.

UE diz ter feito o possível para ajudar

O chefe de negociações da UE para o Brexit, Michel Barnier, disse que o bloco fez o possível para ajudar na aprovação do acordo. "O impasse só pode ser resolvido pelo Reino Unido", tuitou Barnier. "Nossos preparativos para um [Brexit] 'sem acordo' são agora mais importantes do que antes", acrescentou.

Mais cedo, faltando minutos para o início da votação no Parlamento britânico, Barnier alertou os deputados britânicos que não poderia haver um período de transição para a saída do Reino Unido se o acordo sobre a mesa fosse rechaçado.

Para o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, a nova rejeição do texto de divórcio negociado entre Londres e Bruxelas aumentou "significativamente a probabilidade de um Brexit sem acordo".

Maratona de votos

Theresa May havia prometido que se os deputados derrubassem novamente o acordo, ela organizaria uma nova votação na quarta-feira (13) para que os parlamentares deixassem claro se estão a favor ou contra a um Brexit sem acordo, dadas as consequências econômicas catastróficas que esta hipótese teria para o país. Se os deputados rejeitarem também esta opção, na quinta-feira (14) deveria haver uma terceira votação sobre a possibilidade de se pedir à UE um adiamento da data do Brexit.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.