Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Sob polêmicas, Dia da Mulher vira feriado em Berlim

media Ministra alemã para Assuntos de Família, Idosos, Mulheres e Jovens, Franziska Giffey (e), comemorou o Dia da Mulher ao lado de trabalhadoras no setor de limpeza urbana em Berlim. REUTERS/Fabrizio Bensch

Essa é a primeira vez que o Dia da Mulher é feriado em Berlim, enquanto o resto da Alemanha trabalha normalmente neste 8 de março. Até então, a cidade era uma das regiões do país com menos feriados oficiais.

Marcio Damasceno, correspondente da RFI em Berlim

Diversas manifestações foram programadas na capital alemã. A maior delas é uma passeata que atravessa a cidade e deve reunir cerca de 10 mil pessoas, segundo estimativa da polícia. Também há uma série de eventos, como debates sobre o papel da mulher na sociedade e exposições sobre o tema.

Uma pesquisa do instituto de opinião YouGov aponta que 54% dos alemães concorda com o Dia da Mulher virar feriado oficial. Entre os homens, a parcela cai para 48%, enquanto 60% das mulheres se disseram favoráveis à medida, conforme a sondagem.

O novo dia de folga berlinense, criado em janeiro pelo governo local, não acontece sem algumas críticas. Enquanto membros de partidos que compõem a coalizão de governo municipal –socialistas, sociais-democratas e verdes – elogiam a iniciativa como um marco para a luta pela igualdade entre mulheres e homens, políticos conservadores afirmam que a medida provocará perdas financeiras para a cidade. A associação local de comércio e indústria estimou o prejuízo em cerca de € 160 milhões.

Mulher ou data religiosa?

Já o arcebispo de Berlim, Heiner Koch, reclama que o dia foi escolhido sem que os berlinenses fossem consultados. Ele diz que a maioria dos cidadãos da cidade prefeririam outras datas comemorativas, como o Dia da Reforma Protestante ou o Dia da Queda do Muro.

Uma sondagem encomendada pelo jornal Berliner Zeitung indicou que enquanto 25% dos berlinenses são a favor de que o novo feriado seja o Dia da Reforma Protestante (31 de outubro) e 20% optaram pelo Dia da Queda do Muro (9 de novembro), apenas 15% votaram no Dia da Mulher.

Diferenças salariais maiores do que no resto da União Europeia

Especialistas concordam que, apesar dos avanços, a sociedade alemã ainda tem um longo caminho a percorrer para eliminar as disparidades de gênero. Segundo dados de 2016 do Departamento de Estatísticas da União Europeia (Eurostat), a diferença salarial entre homens e mulheres no setor privado alemão é de 21,6%, percentagem maior do que a média da União Europeia (UE), que é de 16,5%.

O número de mulheres no Parlamento alemão, onde elas ocupam 30% das cadeiras, também é atualmente o menor dos últimos 20 anos – prova de que essa desigualdade também está presente no meio político, apesar de o país ser governado há quase 14 anos por uma mulher.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.