Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Theresa May escapa de moção de censura no Reino Unido

media Theresa May durante o voto da moção de confiança contra seu governo. Reuters TV via REUTERS

A moção de censura apresentada pela oposição trabalhista contra o governo de Theresa May, no dia seguinte à sua humilhante derrota no acordo do Brexit, foi rejeitada com uma diferença de poucos votos no Parlamento britânico, nesta quarta-feira (16).

O resultado da votação significa que Theresa May mantém sua posição como líder do governo britânico e que ainda cabe a ela encontrar um acordo entre os parlamentares sobre as condições da saída do Reino Unido da União Europeia. 

325 deputados expressaram confiança no governo conservador de Theresa May, atrás do qual a maioria do governo havia buscado uma coesão forçada, apesar das divisões internas sobre o Brexit. 306 parlamentares se declararam a favor da censura.

Submetida à votação por volta de 19h locais, a moção de censura tinha pouca chance de sucesso, com o Partido Conservador de May e seus aliados à frente de uma maioria absoluta.

Acreditando que a líder conservadora havia perdido "confiança e apoio" do Parlamento, o líder trabalhista Jeremy Corbyn abriu o debate, chamando-a a se demitir, a três meses da saída do Reino Unido da EU, agendado para 29 de março.

Reforçada, pelo menos por ora, pela evidência de que seus próprios deputados rebeldes querem que fique à frente da árdua tarefa de tirar o país da UE, May voltará na segunda-feira (21) ao Parlamento com um plano B. Antes, afirmou, abrirá um diálogo com os líderes da oposição.

"Gostaria de convidar os líderes de partidos parlamentares para me encontrarem individualmente e gostaria de começar essas reuniões nesta noite", disse May ao Parlamento.

"Vou escutar os pontos de vista da câmara, entender os pontos de vista dos parlamentares para identificar o que poderia ter o apoio da câmara e cumprir o referendo", que em 2016 decidiu pelo Brexit, tinha dito May antes do início dos debates.

Andrea Leadsome, representante do governo no Parlamento, defendeu na BBC que "o acordo da primeira-ministra é bom". "Temos que encontrar a forma deste acordo, ou parte dele, ou um acordo alternativo, isso é negociável, possa ser apresentado à UE para concretizar o Brexit em 29 de março", acrescentou.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.