Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 26/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 26/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 26/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 26/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 26/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 26/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Elizabeth II fala sobre "tribalismo" religioso em mensagem de Natal num Reino Unido pré-Brexit

media A rainha Elizabeth II chega à igreja de Santa Maria Madalena para o culto de Natal da Família Real, no leste da Inglaterra, em 25 de dezembro de 2018. REUTERS/Hannah McKay

A rainha Elizabeth II advertiu nesta terça-feira (25) para os riscos do "tribalismo" religioso em sua tradicional mensagem de Natal, transmitida em plena crise do Brexit no Reino Unido. O tom pessimista do discurso da monarca, de 92 anos, refletiu as incertezas que predominam em Londres diante da saída deste país da União Europeia, prevista para o fim de março de 2019.

"Algumas culturas acreditam que uma vida longeva conduz à sabedoria. Eu também penso assim. Uma parte desta sabedoria significa reconhecer que um dos paradoxos incompreensíveis da vida é a habilidade que os homens têm para agir a favor do bem em alguns casos e fazer o mal em outros", afirmou a rainha britânica em seu discurso, tendo ao fundo uma árvore de Natal e uma chaminé.

"Apesar do poder da fé, que frequentemente resulta em uma grande generosidade e sacrifício pessoal, podemos ser vítimas do tribalismo", alertou Elizabeth II.

Em suas mensagens tradicionais, a rainha britânica não costuma se pronunciar sobre disputas políticas e prioriza o papel unificador da instituição monárquica.

Dificuldades para Theresa May

Sua mensagem chega em um momento de grande dificuldade para a primeira-ministra britânica, Theresa May, cuja liderança é questionada em seu país, e inclusive em seu próprio Partido Conservador, em meio a críticas ferozes ao acordo do Brexit que ela negociou com os 27 parceiros da UE.

May teve que adiar até meados de janeiro a votação pelos deputados deste acordo negociado entre Londres e Bruxelas durante 17 meses.

E o Parlamento britânico se prepara para entrar em recesso de fim de ano, faltando apenas cem dias para a data prevista para o Brexit, deixando o país no limbo, sem um acordo e em plena confusão sobre o que vai acontecer depois.

A palavra com B

Em conversas informais nesta temporada de festas, muitos britânicos estão substituindo a palavra Brexit pelo eufemismo "B-word" [a palavra que começa com B] para evitar desencadear longas discussões familiares.

"Inclusive nos momentos de maior divergência, tratar as outras pessoas com respeito e como merece qualquer ser humano é o primeiro passo para se conseguir uma maior compreensão", recomendou Elizabeth II, cuja mensagem poder ser resumida como um apelo à unidade em uma sociedade britânica dividida.

A rainha também reivindicou a mensagem de paz e fraternidade de Jesus: "Penso que a mensagem de paz na Terra e bondade para todos sempre está vigente". Todo mundo deveria escutá-la, agora é mais necessária do que nunca", acrescentou.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.