Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 25/03 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 25/03 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 25/03 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/03 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/03 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 24/03 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 24/03 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 24/03 09h33 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Na Itália, Cesare Battisti reconhece responsabilidade por quatro homicídios
Europa

“Eles não param de aprovar leis estúpidas”: protestos contra medidas de Orban continuam na Hungria

media Manifestation à Budapest contre le gouvernement Orban, le 16 décembre 2018. REUTERS/Bernadett Szabo

Mais de 15 mil húngaros manifestaram no domingo (16) em Budapeste contra uma nova lei trabalhista e contra o governo do primeiro-ministro nacionalista, Viktor Orban, considerado cada vez mais como “autoritário”. Essa é a quarta mobilização na mesma semana. A RFI conversou com os manifestantes para entender os motivos e o contexto por trás dos protestos.

Da correspondente da RFI em Budapeste, Florence Labruyère

A mobilização mais recente foi organizada pela oposição de esquerda, grupos estudantis e diversos cidadãos. Os protestos continuaram durante toda a noite. Vários manifestantes marcharam até a sede da televisão pública e foram dispersados com bombas de gás lacrimogêneo pela polícia.

Dois deputados da oposição, Akos Hadhazy e Bernadett Széll, invadiram o prédio do órgão do audiovisual húngaro, que eles acusam de ter se tornado uma “máquina de propaganda governamental”. Eles tentaram ler, ao vivo, uma petição pedindo o fim da nova lei trabalhista e a “independência dos jornais públicos”. Os dois foram expulsos pela manhã.

“Os fins de semana são para a família. Essa lei quer nos obrigar a trabalhar mais horas e nós já trabalhamos demais. Eles não param de aprovar leis estúpidas”, explicou Laszlo, de 18 anos. O jovem, vestido com um visual punk, veio de uma cidade pequena para protestar contra a chamada “lei sobre o tempo de trabalho”. A nova legislação dá aos empregadores a possibilidade de pedir até 400 horas extras por ano dos trabalhadores.

Além disso, as empresas terão um espaço de três anos para pagar as horas extras aos funcionários. A legislação também vai impor outras medidas impopulares, como o fim do ticket alimentação subsidiado pelo Estado. O líder sindicalista, Tamal Székel, foi aplaudido ao gritar: “Vamos fazer greve”.

Nova geração de manifestantes

A corrupção é outra palavra que não sai da boca dos manifestantes, como é o caso de Emma Bugram, de 68 anos. “Recebemos muito dinheiro da União Europeia. Mas Orban e seu clã roubam um terço dele. Não aguentamos mais. Sem falar do fato de que eles adulteram os resultados de todas as eleições”, lamenta.

A húngara Anita Homoki, que manifestou no domingo, afirmou lutar contra o autoritarismo de Orban. “Eu protesto contra tudo o que esse regime faz há oito anos. É pior que o comunismo: a corrupção chegou a níveis gigantescos, não é mais uma democracia, e sim um regime autoritário. Estamos indo em direção a uma época sombria”, disse.

Mas há uma nova geração: os jovens são mais abertos, mais europeus, eles vão derrubar o regime autoritário de Orban”, continuou Anita Homoki. “Meus filhos pertencem a esse grupo. Eu os criei para que eles sejam cosmopolitas, que falem várias línguas, que saibam a diferença entre um migrante e um refugiado de um país em guerra. Continuamos a protestar, mas vai levar tempo, talvez anos.”

Uma nova manifestação está prevista para essa segunda-feira (17) às 18h (horário local) em Budapeste.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.