Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 16/01 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 16/01 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 16/01 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 16/01 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 16/01 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 16/01 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 13/01 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 13/01 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Em último Conselho Europeu do ano, UE não fará concessões a May sobre o Brexit

Por
Em último Conselho Europeu do ano, UE não fará concessões a May sobre o Brexit
 
Theresa May fala sobre o voto no Parlamento britânico, nesta quarta-feira (12) REUTERS/Peter Nicholls

Não há motivos para comemoração entre os líderes europeus na última reunião do ano, que acontece nesta quinta e sexta-feira.  As principais lideranças do continente estão vivendo períodos turbulentos. O Brexit deve dominar a agenda deste Conselho Europeu, que vai também discutir imigração, mercado único e a zona do euro.

Letícia Fonseca Sourander, correspondente da RFI em Bruxelas

Às vésperas da reunião em Bruxelas, o Parlamento Europeu reafirmou sua posição: não haverá abertura nas novas negociações para o Brexit. A vitória apertada da primeira-ministra Theresa May, que sobreviveu ao voto de desconfiança de seu partido no Reino Unido, causou alívio em Bruxelas.

No entanto, o resultado da votação que aconteceu na noite desta quarta (12), no Parlamento britânico, descarta qualquer possibilidade de concessões importantes no acordo que consolidará a saída do Reino Unido da União Europeia.

Por 200 votos a 117, a líder do Partido Conservador se mantêm à frente das negociações com Bruxelas mas continuará enfrentando dificuldades dentro e fora de casa. A União Europeia deve manter a pressão contra o Reino Unido. Esta semana, Bruxelas voltou a enfatizar que o acordo que está sob a mesa “é o melhor e o único possível”.

No início da semana, Theresa May desistiu de levar adiante a votação final do acordo do Brexit, acertado com a União Europeia, no Parlamento britânico. A decisão de May foi vista como uma prova de que o documento não seria aprovado.

Questão da Irlanda ainda gera divergências

A futura fronteira entre a República da Irlanda – que faz parte do bloco europeu - e da Irlanda do Norte – integrante do Reino Unido - tem se relevado a questão mais sensível em todo o processo do Brexit. O acordo negociado entre Londres e Bruxelas prevê o chamado “backstop”, termo que significa rede de proteção, uma garantia de que mesmo com a concretização do Brexit sem um acordo geral com a União Europeia, a fronteira entre as Irlandas continue funcionando “sem fricção”, não prejudicando, portanto, a integração econômica e social da ilha irlandesa.

Este dispositivo, proposto por Bruxelas, tem sido muito criticado, principalmente pelos correligionários de May. De acordo com a proposta comunitária, a Irlanda do Norte permaneceria na união aduaneira da UE, grande parte do mercado único e do sistema de imposto de valor agregado (IVA) da UE. Segundo legisladores britânicos, o "backstop" poderia prender o país ao bloco europeu de modo indefinido.

Reunião em clima conturbado

A reunião do Conselho Europeu acontece em um clima conturbado. Os governos dos principais países do bloco enfrentam desgaste, baixa popularidade e protestos. A França tenta conter as manifestações dos “coletes amarelos” e a volta do terrorismo, com o recente ataque em Estrasburgo.

Na Alemanha, depois de anunciar o fim da carreira política, a chanceler Angela Merkel conseguiu emplacar uma sucessora para liderar o partido União Democrata Cristão (CDU), mas ainda sofre as consequências de sua política migratória. Em 2015, Merkel decidiu abrir as portas do país para um milhão de refugiados.

A crise migratória acendeu as chamas do populismo na Alemanha e no resto do continente. A questão da imigração foi decisiva para o processo do Brexit. O Reino Unido, mergulhado em uma crise de identidade, está tendo que enfrentar o caos no governo com a quase queda de sua enfraquecida primeira-ministra.

 

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.