Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 18/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 18/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 18/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 18/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 18/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 18/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 16/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 16/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Brasileira é a primeira mestre cervejeira em Berlim

Brasileira é a primeira mestre cervejeira em Berlim
 
Verônica Menzel, a primeira mestre cervejeira de Berlim. Foto: Divulgação/BRLO

Quando simples mortais bebedores de fim de semana ouvem a paulista Verônica Menzel descrever, durante uma degustação, todas as nuances dos aromas e sabores de uma cerveja, alguns podem se surpreender. Como se não bastasse, a brasileira consegue se destacar num país conhecido mundialmente pela sua cerveja.

Márcio Damasceno, correspondente da RFI em Berlim

A ex-comissária de bordo, de 38 anos, se formou como mestre cervejeira na Alemanha e há mais de dois anos responde pela produção de uma das mais badaladas cervejarias de Berlim, a Brlo, especializada em cervejas artesanais.

Ela conta que ser mulher e brasileira foi até um diferencial na hora de propor seus serviços aos donos do negócio, os alemães Katharina Kurz, Christian Laase e Michael Lembke, quando eles estavam para inaugurar a Brlo Brwhouse há pouco mais de dois anos. Situado no parque Gleisdreiek, o restaurante e bar foi construído com 38 contêineres de metal e logo se tornou um dos endereços obrigatórios da capital alemã para os amantes da cerveja.

“Quando eu soube eles iam abrir aqui a Brlo no parque Gleisdreieck, eu dei os parabéns para eles. Disse ‘que legal, imagino que vocês devam estar precisando de gente’. E eu perguntei ‘o que vocês acham, então, de ter uma mestre cervejeria brasileira’. E uma das fundadoras, a Katharina abriu um olhão e me disse ‘nossa! sério? você quer trabalhar com a gente? E eu respondi: claro! vou adorar!‘“, lembra a brasileira.

“Marcamos uma entrevista, e logo depois eu comecei. E pelo fato de ser brasileira e mulher só fica mais interessante para eles", reitera.

Controle de qualidade

Há pouco tempo, Verônica deixou um pouco de lado a parte de produção da cerveja ao ganhar novas responsabilidades e assumindo o controle de qualidade dos mais de 10 tipos de cervejas produzidas pela Brlo, junto com a supervisão das operações da empresa, que vem crescendo, após a inauguração, em junho, de uma segunda filial em Berlim, no tradicional centro de compras berlinense Kadewe.

“Eu era responsável por toda a produção, por enchimento de barris, por logística, distribuição. Comandava a produção, como principal cervejeira. A gente otimizava as receitas, desenvolvia receitas novas e tudo mais”, recorda.

“Agora, tem mais ou menos uns dois meses, eu passei a cuidar do controle de qualidade, montando um laboratório de análises, tirando amostras para serem analisadas microbiologicamente e cuidando da padronização de todas as nossas operações”, explica Verônica. “E como agora nós temos duas cervejarias, eu meio que estou em função de padronizar cada vez mais os processos, para que seja tudo feito igual.”

Criação própria: Brazilian Blowout

O diferencial brasileiro que a Verônica dá à cervejaria berlinense é visto já no cardápio, que tem como um de seus destaques “explosivos” a Brazilian Blowout. Uma criação da Verônica, que começou a desenvolver quando ainda morava no Brasil. A bebida tem ingredientes que saíram do jardim da mãe dela e é servida nos meses mais frios do ano.

“Eu gosto muito de chili, de pimenta. Adoro comida apimentada. E minha mãe sempre teve diversas pimentas no jardim. Então, ela plantava malagueta, que é bem brasileira”, frisa Verônica.

“Fiz alguns testes, com diversas pimentas, e a malagueta foi a que deu mais certo, de que eu mais gostei do sabor, do aroma, da picância. Aí quando eu vim para a Brlo, eu propus a eles nós fazermos uma cerveja com a pimenta brasileira. Então, eu a trouxe do Brasil, seca, e essa cerveja virou a Brazilian Blowout, que a gente serve aqui no restaurante no outono e inverno.”


Sobre o mesmo assunto

  • Oktoberfest/refugiados

    Com cerveja e fluxo de refugiados, começa a Oktoberfest de Munique

    Saiba mais

  • Bélgica

    Aumento da temperatura na Bélgica põe em risco tradicional cerveja lambic

    Saiba mais

  • Irlanda

    Com muita cerveja, irlandeses comemoram festa de São Patrício

    Saiba mais

  • Cerveja

    Fusão da AB InBev-SABMiller vai criar gigante do setor de cerveja

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.