Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/10 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 20/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 20/10 09h30 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/10 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Polícia prende suspeito de estupro e assassinato de jornalista búlgara

media A jornalista Viktoria Marinova apresentava um programa de televisão que tratava temas polêmicos. TVN.bg/Handout via Reuters.

As autoridades da Bulgária confirmaram a prisão nesta terça-feira (9) de um suspeito no caso do estupro seguido de assassinato da apresentadora de televisão Viktoria Marinova. Ela é a terceira jornalista abatida na Europa em menos de um ano.

A polícia está investigando o álibi apresentado pelo detido, um romeno de origem ucraniana. “Por enquanto ainda não podemos dizer com certeza de que se trata de um suspeito”, ponderou o chefe da polícia regional, Teodor Atanasov.

O cadáver da jornalista búlgara, que trabalhava para o canal de televisão local TVN, foi encontrado no sábado (6) em um parque de Ruse, cidade do norte do país. Segundo o Ministério do Interior, ela foi estuprada, recebeu uma pancada na cabeça e foi estrangulada.

Os investigadores analisam todas as pistas, tanto vinculadas à sua vida pessoal como à profissional. A jornalista de 30 anos era apresentadora de um programa sobre assuntos sociais de Ruse, um grande porto sobre o rio Danúbio, na fronteira com a Romênia. Mas o ministro búlgaro do Interior, Mladen Marinov, declarou na segunda-feira (8) que ainda não é possível estabelecer algum tipo de ligação entre o crime e as atividades jornalísticas de Viktoria Marinova.

Último programa tratava de fraudes envolvendo políticos

Na última transmissão deste programa, em 30 de setembro, houve uma entrevista com dois famosos jornalistas investigativos, o búlgaro Dimitar Stoyanov, e o romeno Attila Biro, que estão apurando possíveis fraudes nos subsídios da União Europeia (UE). As denúncias levantadas poderiam envolver empresários e políticos do país.

O assassinato foi condenado provocou uma onda de indignação na Europa. Em um comunicado, a ONG Repórteres Sem Fronteiras (RSF) pediu que uma “investigação séria e aprofundada seja feita para identificar os autores desse assassinato odioso”. A entidade também pediu que os jornalistas do canal TVN que estavam trabalhando nas mesmas reportagens que Viktoria Marinova seja colocados sob proteção da polícia.

Na última classificação da ONG sobre a liberdade de imprensa, a Bulgária ficou na 111ª posição em um total de 180 países, de longe a pior da UE, visto que é acusada regularmente pela corrupção de seu entorno midiático, que viola a liberdade de imprensa.

Vítimas investigavam casos de corrupção

Viktoria Marinova é a terceira jornalista assassinada em menos de um ano em um país da União Europeia. Em outubro de 2017, a maltesa Daphne Caruana Galizia, de 53 anos, morreu vítima da explosão de seu carro. Em fevereiro deste ano foi a vez do eslovaco Jan Kuciak, de 27 anos, ser executado com sua mulher. Ambos estavam trabalhando em reportagens investigativas sobre corrupção.

A morte de Kuciak provocou uma onda de manifestações na Eslováquia, que resultou na queda do chefe do governo, Robert Fico, e dois de seus ministros.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.