Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/10 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 20/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 20/10 09h30 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/10 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Na Itália, brasileiros viajam longas distâncias para as eleições

media A eleitora Claudia Santana recebe indicações sobre sua seção eleitoral Rafael Belincanta

Na Itália, muitos eleitores escolheram participar das eleições logo cedo. Por volta das 9h, a Praça Navona, sede da Embaixada e do Consulado-Geral do Brasil em Roma, já apresentava filas para votar em uma das 15 seções eleitorais na capital italiana. Como aconteceu na França – onde os brasileiros só podem votar em Paris – muitos eleitores tiveram que viajar para a votação.

Rafael Belincanta, correspondente da RFI na Itália

Cláudia Santana conta que decidiu sair de Nápoles, a 230km de Roma, para votar pela primeira vez. “Muitas pessoas ficaram me criticando na internet pelo meu voto, dizendo ‘Vocês estão fora do Brasil, vocês não sabem o que está acontecendo’. Eu sei, porque todo o ano eu vou ao Brasil, por causa de meu trabalho e de minha família. Então, eu quero dar a minha opinião e a minha força porque eu quero um Brasil melhor, porque eu sou brasileira”, diz.

“Se pudesse votar em Nápoles, seria bem melhor, me ajudaria muito, com certeza muito mais pessoas poderiam votar”, afirma Cláudia. Rosana Sales, que vem da mesma região, reiterou a importância de se poder votar no sul. “Inclusive, falamos sobre isso com o embaixador quando houve o Consulado itinerante em Nápoles, porque facilitaria muito”, explica.

Projeto de descentralização dos locais de voto

A jurisdição do Consulado-Geral de Roma compreende todas as regiões do centro e sul da Itália, incluindo as ilhas da Sardenha e Sicília, além de Malta e da República de San Marino. Já o Consulado-Geral de Milão concentra os votos dos brasileiros que vivem na região norte da Itália. Neste ano, pela primeira vez, os brasileiros residentes na região da Toscana não precisaram ir à Roma e votaram diretamente em Florença.

O Cônsul-Geral do Brasil em Roma, Afonso Carbonar, pretende continuar com o processo de descentralização dos serviços consulares. Ele afirma que quer, se possível, “na próxima eleição já ter um local de votação em Nápoles, quem sabe em Palermo, de modo a facilitar a vida do cidadão brasileiro”.

Ao lado de Portugal, Reino Unido e Alemanha, a Itália está entre as quatro nações da Europa com o maior número de brasileiros aptos a votar nessa eleição. Juntos, esses países concentram 61% do eleitorado brasileiro no Velho Continente, com um total de 115.785 eleitores. Somente na jurisdição do Consulado-Geral em Roma, o número de eleitores cresceu 63% em relação às eleições de 2014, com um total de 11.302 inscritos.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.