Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/10 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 20/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 20/10 09h30 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/10 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Recorde de eleitores brasileiros em Londres: Bolsonaro leva mais de 50% dos votos

media Eleitores brasileiros enfrentaram longas filas para votar em Londres. Foto: Vivian Oswald

Se as eleições no Brasil fossem uma projeção das 33 urnas computadas pela Embaixada brasileira em Londres, o candidato do PSL, Jair Bolsonaro estaria eleito em primeiro turno.  A soma dos dados divulgados pelo consulado indica que ele obteve 51,29% dos votos. Foram 4.797 dos 9.353 votos válidos. Em seguida vêm Ciro Gomes com 20,76% e Fernando Haddad com 10,96%. 

Vivian Oswald, correspondente da RFI em Londres

Joao Amoedo ficou com 9,12% dos votos válidos. Marina Silva e Geraldo Alkmin tiveram 251 e 242 votos, respectivamente. Foram 181 votos brancos e 181, nulos. O ex-ministro da Fazenda, Henrique Meirelles só registrou 25 votos. O perfil é muito diferente de quem votou em Paris, onde ficou com o terceiro lugar.

Um recorde de eleitores brasileiros foi às urnas na capital britânica para votar para presidente em meio a um clima tenso, que reproduziu a polarização observada por todo o Brasil. Grupos de apoio e contrários ao candidato do PSL Jair Bolsonaro ocuparam calçadas próximas do prédio da Embaixada do Brasil durante o dia. Gritaram palavras de ordem, trocaram insultos e cantaram para atrair a atenção dos eleitores.

A longa fila que deu algumas voltas em torno do quarteirão do edifício da Embaixada, bem no centro da cidade, ao lado da Trafalgar Square, fez com que boa parte dos 9.715 eleitores levassem até duas horas para votar. Para os casos de prioridades (famílias com filhos, idosos e portadores de necessidades especiais), o tempo de espera ficou em torno de 15 minutos.

Às 15h18, mais de 6.400 pessoas já haviam votado, ultrapassando o número de eleitores que compareceram às urnas em 2014.

"Foi a primeira vez que votei aqui. Moro em Londres Há nove anos. Votei no Bolsonaro, claro. Pela mudança. A minha bandeira é verde e amarela", disse Adriano Rafachinho, enrolado na bandeira, acompanhado da mulher Caroline, enquanto interagia com outros eleitores do candidato do PSL que se preparavam pada votar.

Os brasileiros no exterior surpreenderam as autoridades pelo mundo inteiro. Houve um aumento de 40% no número de eleitores inscritos em relação à última eleição presidencial.

A votação começou às 8 horas da manhã, mas a fila diante do prédio da Embaixada começou a se formar antes. Eleitores brasileiros de diferentes partes do Reino Unido, que, além da Inglaterra, inclui Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte compareceram às urnas.

Quarto maior colégio eleitoral no exterior (fica atrás de Boston, Miami e Tóquio) e o maior da Europa, Londres é a única cidade do país onde se pode votar. Até porque é onde se concentra a grande maioria dos brasileiros que vivem no país. Estima-se em mais 200 mil a população brasileira no Reino Unido.

Foram 33 seções eleitorais, que, pela primeira vez, se concentraram no prédio da embaixada. Até recentemente o movimento era dividido com o Consulado.

São 25.885 inscritos no país e a expectativa era a de que 50% apenas comparecessem. Em 2014, eram 16 mil inscritos. No exterior como um todo, a média histórica de abstenção fica um pouco abaixo de 50%. No Japão e nos Estados Unidos, as filas levaram até quatro horas.

"Não houve incidentes. Havia, sim, manifestações políticas do lado de fora e acusações mútuas. Houve um número expressivo de comparecimento no exterior, o que mostra o interesse dos eleitores em participar da campanha", disse Sidney Romeiro, cônsul-geral adjunto em Londres.

As filas se espalharam por várias calçadas na região de Londres onde fica a Embaixada brasileira, local de do país.. Foto: RFI Brasil/Vivian Oswald

Retardatários não votaram

A embaixada reforçou o esquema de segurança no prédio para que tudo corresse com tranquilidade. Todas 33 as urnas eletrônicas funcionaram bem, sem necessidade de substituição.

Depois de encerrado o período oficial da votação, ainda havia fila do lado de fora. Segundo o cônsul-geral adjunto, foram distribuídas cerca de 150 senhas para garantir que todos aqueles que chegaram na hora pudessem ter o seu direito de votar garantido.

Alguns retardatários chegaram depois da hora e tentaram forçar a porta de entrada do prédio. Um deles chegou a esmurrar os vidros. Por volta das 19h30, a polícia britânica chegou a ser acionada porque apoiadores de Bolsonaro batiam nos vidros da Embaixada, cobrando os resultados da eleição, que ainda não haviam sido divulgados.

O movimento de brasileiros também rendeu frutos às brasileiras que vendiam coxinhas de galinha e outros salgadinhos a quem esperava na fila. E os divulgadores do show de Zeca Pagodinho em Londres agora em outubro também aproveitaram para distribuir panfletos do evento.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.