Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 18/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 18/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 18/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 18/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 18/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 18/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 16/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 16/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

PIB do Reino Unido teria sido 2% maior sem o Brexit, diz economista do Banco da Inglaterra

media O jornal Les Echos desta quinta-feira analisa os impactos do Brexit na economia britânica desde que foi anunciada, 13 de setembro 2018 Fotomontagem RFI

Desde que o Brexit foi anunciado, previsões favoráveis e desfavoráveis foram feitas milhares de vezes. Algumas para tentar influenciar a opinião pública a achar que este é o pior erro da história em matéria econômica que o Reino Unido já cometeu. Outras, ao contrário, para dizer que é a maior oportunidade para o desenvolvimento do país. O jornal Les Echos desta quinta-feira (13) quis sair do campo das hipóteses para analisar, de fato, o que o Brexit já custou para os cofres britânicos.

Uma coisa é certa, diz o diário econômico francês, já se pode observar duras consequências causadas pelo Brexit na economia britânica. “Não houve nem terremoto, nem cataclismo, mas uma densa neblina que nem o tempo está conseguindo dissipar. Um veneno lento que pode até ser benigno, mas que não deixa de ser perigoso. Esse veneno tem um nome: a incerteza”, escreve o correspondente do Les Echos em Londres, Alexandre Counis.

Segundo o jornalista, as dúvidas sobre o futuro não deixaram somente os mercados financeiros mais agitados e a libra mais volátil, mas desaceleram toda a máquina econômica. O que acabou mergulhando o país em um tipo de “irresistível letargia”.

Grande parte da produção britânica é exportada para a Europa

Sem saber como poderão negociar com a União Europeia (UE), as empresas estão deixando para depois todas as decisões sobre investimentos. A situação é ainda mais desconfortável para boa parte das empresas britânicas que exportam a maior parte de sua produção para a Europa. Este é o caso, por exemplo, da indústria automobilística, que exporta 80% dos veículos sendo metade para o mercado europeu. Com isso, o setor reduziu em um terço seus investimentos em 2017, passando de € 1,9 bilhões em 2016 para € 1,2 bilhões no ano passado.

O consumo das famílias também foi afetado. A compra de bens duráveis está sendo deixada para depois. O emplacamento de novos veículos caiu 5,7% em 2017 e em 2018 a queda já foi de 4,2%. Em relação aos pedidos de empréstimos, o valor caiu pela metade passando de € 1,5 bilhões em 2016 a € 800 milhões em 2017.

Impacto já é de £ 40 bilhões

Segundo o governador do Banco da Inglaterra, Mark Carney, ouvido pelo Les Echos, o PIB britânico poderia ter sido 2% maior se não houvesse o Brexit. Um impacto que chega até agora a £ 40 bilhões.

Segundo um estudo publicado pela empresa de pesquisa Sky Data em julho deste ano, 52% dos britânicos estão convencidos que o Brexit terá efeitos nefastos para a economia e somente 35% acreditam que terá um impacto positivo. Mas por enquanto nada indica uma mudança significativa da opinião pública em relação ao que foi decido no referendo de junho de 2016 quando o Brexit foi validado.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.