Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Polícia alemã de Dresden: suspeitas de ligação com extrema-direita

media Protesto contra Angela Merkel em Dresden, 16 de agosto de 2018. REUTERS/Hannibal Hanschke

Na Alemanha, a imprensa e a classe política questionam a influência da extrema-direita sobre a polícia de Dresden, na Saxônia. Durante um protesto do movimento islamofóbico Pegida, na semana passada, um manifestante atacou uma equipe de TV e ele foi defendido pela polícia local. Foi revelado na quinta-feira (23) que o manifestante era um policial, mas de férias.

Na semana passada, dia 16, a chanceler Angela Merkel foi recebida em Dresden como de costume, nessa região que fazia parte do bloco comunista: com vaias e uma manifestação do Pegida. Ao ter o rosto filmado pela TV pública ZDF, um manifestante avançou sobre a equipe. A polícia logo interveio e, surpreendentemente, tomou partido do manifestante.

O escândalo tomou novas proporções na quinta-feira (23), quando o ministério do Interior da Saxônia reconheceu que o manifestante em questão era integrante da polícia local. De férias naquele momento, o policial participava da manifestação por interesse pessoal.

Merkel defende liberdade de imprensa

O caso não para de criar polêmica. A ministra alemã da Justiça, Katarina Barley, disse que o ocorrido “é muito preocupante”. Durante uma entrevista coletiva em Tbilissi, na Geórgia, a chanceler Angela Merkel fez um apelo pela “liberdade de imprensa”. O direito de manifestar deve ser respeitado, “e qualquer pessoa que participa de um protesto deve partir do princípio que ela pode ser observada e filmada pela mídia”, acrescentou.

A oposição denuncia uma possível infiltração da polícia da Saxônia pela extrema-direita e critica a posição do chefe do governo da região, Michael Kreschmer, da União Cristã Democrata (CDU), mesmo partido de Merkel. Ele defendeu a polícia, confirmando a impressão de que a Saxônia está particularmente sob influência da extrema-direita.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.