Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 15/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 15/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 15/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 15/11 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 15/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 15/11 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 11/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 11/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Jornais relatam guerra política para construir viaduto alternativo em Gênova

media Vista do viaduto Morandi cortado ao meio após o desabamento. Paola PIRRERA / FACEBOOK / AFP

A catástrofe com a ponte Morandi em Gênova, na região noroeste da Itália, está nas manchetes da imprensa francesa nesta quarta-feira (15), feriado católico em países do sul da Europa, dia da Assunção de Nossa Senhora.

Le Monde critica as declarações cínicas do governo populista italiano. O ministro dos Transportes, Danilo Toninelli, ligado ao Movimento 5 Estrelas, disse que um dos problemas com a ponte era o fato dela ter um tráfego muito intenso de "caminhões poloneses". Mesmo diante da tragédia, os populistas utilizam argumentos antieuropeus para explicar o drama.

O viaduto Morandi, inaugurado em 1967 como uma obra-prima da engenharia, logo apresentou problemas estruturais. Le Monde mostra que desde 1980 foi apresentada uma alternativa ao viaduto Morandi, mas, por motivos políticos, a via chamada "Bretella" nunca saiu do papel. O trajeto passava por bairros de eleitores do Partido Comunista e por isso foi preterido nos investimentos do Estado.

Nos anos 1990, outro projeto de rodovia – "Gronda" – começou a ser debatido. Mas o Movimento 5 Estrelas, hoje no poder, se opôs em 2013, considerando o custo da obra exorbitante. Após longas negociações políticas, a construção dessa via alternativa à ponte Morandi deveria começar no segundo semestre deste ano. Tarde demais.

Le Parisien diz em seu editorial que o drama terrível desse desabamento ensina que a segurança no setor de transportes não é um assunto negociável. O jornal afirma que no caso de Gênova os problemas com o viaduto Morandi foram assinalados por especialistas, e as autoridades italianas não souberam corrigir as falhas. Nos últimos cinco anos, dez pontes desmoronaram na Itália. Le Parisien estima que o governo italiano poderia ter tomado a decisão radical de interditar a ponte, mas se manteve passivo. Agora, a tragédia está consumada.

Corrosão pode estar implicada no acidente

Nas páginas do Libération, o engenheiro francês Michel Virlogeux, autor de projetos monumentais como as pontes estaiadas da Normandia e de Millau, na França, vias suspensas com mais de dois quilômetros de comprimento, reage ao acidente. Para ele, é possível que "um dos cabos do viaduto Morandi tenha cedido sob o efeito da corrosão". Vale lembrar que Gênova fica espremida entre a montanha e o mar.

O francês explica que a obra do arquiteto italiano Riccardo Morandi, concebida em concreto armado, um material que se degrada com o tempo mais do que o aço, já estava ultrapassada quando foi inaugurada, em 1967. Na mesma época, a Alemanha inaugurou pontes mais modernas, destacou Virlogeux.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.