Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/08 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 12/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 12/08 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Navio Aquarius volta ao Mediterrâneo para continuar o resgate de migrantes

media Aquarius parte do porto de Marselha para mais uma incursão para resgatar migrantes SOS Mediteranee

O navio Aquarius partiu há poucos instantes do porto de Marselha, no sul da França. O barco, utilizado pelas ONGs SOS Mediterrâneo e Médicos sem Fronteiras, vai voltar a percorrer a costa Líbia no Mediterrâneo para resgatar migrantes. Durante uma coletiva de imprensa na manhã desta quarta-feira (1º) Francis Vallat, presidente da SOS Mediterrâneo na França, afirmou que "nada, exceto alguma força que ameace a segurança de nosso navio (...) nos fará desistir de nossa tríplice missão: salvar, proteger, testemunhar".

O barco Aquarius ficou conhecido no começo de junho, quando teve seu acesso aos portos de Malta e da Itália recusados. A embarcação tinha 630 migrantes à bordo na ocasião. O incidente gerou grande repercussão na União Europeia e provocou um debate das políticas imigratórias do bloco. O navio conseguiu finalmente aportar na Espanha, no dia 17 de junho.

Nova incursão na costa da Líbia

Depois de um mês de escala técnica na França, ele voltará a percorrer o litoral líbio no final desta quarta-feira. Para os militantes que atuam na embarcação, a escala em Marselha foi extremamente longa já que, segundo eles, em junho deste ano houve sete vezes mais mortes no Mediterrâneo do que no ano passado, totalizando 721 pessoas.

Vallat anunciou que o barco continuará suas missões de resgate de migrantes. Ele avisou ainda que não devolverá os sobreviventes resgatados aos portos líbios. "Vamos agir sob a coordenação das autoridades legais, que sempre foi nossa atitude e permanecerá sendo enquanto a segurança do navio não for ameaçada e não exigirem de nós um retorno direto ou indireto à Líbia", advertiu.

A ONG lembra que está apenas aplicando a lei marítima, que determina que "todo navio deve ajudar qualquer pessoa em perigo".

Com mais suprimentos, Aquarius deixa França em direção à costa líbia SOS Mediteranee

Mais equipamentos e mantimentos

O barco reparte com um estoque maior de alimentos, um melhor saneamento e um sistema de tratamento de resíduos para evitar epidemias. A escala em Marselha foi usada para melhorar a capacidade de recepção da "ambulância dos mares" e também para aprender lições de sua deriva do início de junho.

Desde a sua partida do porto de Marselha em fevereiro de 2016, o Aquarius já salvou quase 30 mil pessoas do afogamento, sendo quase 3 mil apenas este ano.

Todas as informações sobre os deslocamentos e as ações do Aquarius podem ser acompanhadas em tempo real em um site criado especialmente para dar transparência às ações da embarcação: onboard-aquarius.org/.

 
O tempo de conexão expirou.