Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Queda de braço entre UE e Polônia expõe fratura judicial no bloco

Por
Queda de braço entre UE e Polônia expõe fratura judicial no bloco
 
Braço de ferro entre UE e a Polônia, depois da polêmica reforma da Justiça REUTERS/Kacper Pempel/File Photo

O Tribunal de Justiça da União Europeia, a mais alta instância jurídica do bloco, decidiu que a Corte irlandesa poderá bloquear a extradição de um réu por receio de que ele não receba um julgamento justo na Polônia. O país do leste europeu afastou boa parte dos juízes de seu Supremo Tribunal, o que levantou dúvidas sobre a independência da instituição. Esta é a primeira vez que o sistema legal polonês é formalmente condenado.

Letícia Fonseca, correspondente da RFI em Bruxelas

A União Europeia apoiou a Irlanda em uma recusa histórica sobre a extradição de um suposto traficante polonês por causa de problemas que ele poderia ter com os tribunais na Polônia. Em março, a Suprema Corte irlandesa decidiu que o polonês Artur Celmer, que havia sido preso na Irlanda, não seria extraditado para a Polônia porque ele não teria chances de ser submetido a um julgamento justo em seu país. Celmer, que mora há 10 anos na Irlanda, tem três mandados de prisão emitidos pela Justiça polonesa.

Esta semana, o Tribunal de Justiça da UE, com sede em Luxemburgo, defendeu a posição irlandesa. O Tribunal afirmou que a decisão da Irlanda foi justificada porque existia um risco real de violação do direito fundamental do réu por causa da falta de independência do Judiciário na Polônia.

Relações tensas

As relações entre Bruxelas e Varsóvia ficaram ainda mais tensas depois desta decisão do Tribunal de Justiça da União Europeia, a mais alta jurisdição do bloco. O veredito abre caminho para o Judiciário irlandês condenar o sistema legal da Polônia. Se a Irlanda mantiver sua posição e bloquear o mandado de prisão europeu - mecanismo que facilita o processo de extradição de criminosos ou suspeitos de crime dentro do bloco europeu -, será o mesmo que dizer que o Judiciário polonês não funciona mais como uma parte normal do sistema jurídico da União Europeia.

Segundo o Tribunal de Justiça do bloco, cabe à Justiça irlandesa decidir e avaliar se existe um risco real de falta de independência das autoridades judiciais para que o réu não seja submetido a um julgamento incorreto na Polônia por causa de falhas em seu Estado de Direito. O governo polonês fez duras críticas à decisão da Irlanda de envolver o Tribunal de Justiça da União Europeia neste caso.

Advertência

Esta advertência à Polônia, a primeira deste tipo na história da União Europeia, poderá resultar em sanções como a suspensão do direito de voto de Varsóvia no Conselho Europeu. Em dezembro passado, o executivo europeu decidiu acionar o artigo 7.º do Tratado da UE, que nunca havia sido ativado, por causa da recusa do governo polonês em desistir das reformas judiciais que estão sendo implementadas no país. Para Bruxelas, estas reformas representam «um risco claro de grave violação do Estado de Direito na Polônia ».

No início do mês, 40% dos juízes do Supremo Tribunal da Polônia foram forçados a deixar seus cargos por causa de uma polêmica lei que reduz a idade de aposentadoria dos magistrados para 65 anos ao invés de 70 anos. Em resposta, a Comissão Europeia iniciou um novo procedimento de infração contra a Polônia para proteger a independência do Supremo Tribunal do país.

Na última quarta-feira, o Senado polonês aprovou um projeto de lei que reformula o sistema de escolha do novo presidente da Suprema Corte. Esta é a quinta reforma da Suprema Corte votada depois da chegada do ultraconservador Partido Lei e Justiça (PiS) no poder. A modificação já havia sido aprovada pela Câmara dos Deputados e nesta quinta-feira (26) foi sancionada pelo presidente da Polônia, Andrzej Duda. Um dos objetivos da nova lei é acelerar a escolha de um substituto da atual presidente do Supremo, Malgorzata Gersdorf, que se recusa a pedir aposentadoria.


Sobre o mesmo assunto

  • Linha Direta

    Polêmica reforma judicial da Polônia é novo quebra-cabeça da UE

    Saiba mais

  • Crise/Polônia

    “Governo polonês liquidou o sistema democrático de separação de poderes", acusam eurodeputados

    Saiba mais

  • Linha Direta

    Reforma da aposentadoria dos juízes ameaça Estado de Direito na Polônia

    Saiba mais

  • Linha Direta

    Polônia pede para cidadãos no exterior delatarem críticos ao país

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.