Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/07 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/07 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/07 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Suprema Corte da Espanha condena Madri por não ter acolhido um número suficiente de refugiados

media Chegada dos migrantes do navio Aquarius em Valência Kenny Karpov/SOS Mediterranee/Handout via Reuters

O Estado espanhol foi condenado pela Suprema Corte do país por não ter cumprido seus compromissos de acolher um número estabelecido de refugiados vindos da Itália e da Grécia. A decisão foi anunciada nesta quarta-feira (11).

“Mais de seis meses após o fim do prazo, o relatório do Escritório Espanhol de Asilo e Refugiados (OAR) reconheceu que o balanço é inferior a 13% do esperado”, declarou a Corte em sua decisão.

Por consequência, a Espanha “deve intensificar o processo” de acolher os refugiados que pedem asilo. O país, no entanto, não recebeu nenhuma pena.

160.000 refugiados deveriam ser redistribuídos pela Europa

Em setembro de 2015, em plena crise migratória, os Estados membros da União Europeia se comprometeram a redistribuir, em dois anos, 160.000 refugiados que chegaram à Itália e à Grécia. Na época, os países eram as principais portas de entrada da migração na Europa e a iniciativa visava retirar a pressão das duas nações.

A maior parte dos governos que assinaram o acordo, incluindo a Espanha, ficaram bem atrás da meta prevista – e vários migrantes deixaram a Itália e a Grécia por conta própria, sem esperar a transferência a um outro território.

“A existência de graves dificuldades administrativas ligadas à execução dessas obrigações não pode constituir uma razão para desrespeitá-las”, declarou a Suprema Corte. 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.