Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Boris Johnson é o novo primeiro-ministro do Reino Unido
Europa

Itália ameaça outro barco com 239 imigrantes, na véspera de cúpula europeia sobre imigração

media Imigrantes a bordo do navio Lifeline que aguarda neste sábado (23), em águas internacionais no Mediterrâneo, uma decisão sobre seu destino. Hermine Poschmann/Misson-Lifeline/Handout via REUTERS

A Itália mantém uma linha dura contra ONGs que socorrem imigrantes no Mediterrâneo. A poucas horas de uma minicúpula em Bruxelas sobre a política migratória europeia, o novo governo populista italiano volta a ameaçar um navio com 239 imigrantes a bordo.

Roma pediu na sexta-feira (22) que Malta abra seus portos para o barco Lifeline, fretado por uma ONG alemã. O ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, do partido de extrema-direita Liga do Norte, exigiu que a embarcação seja em seguida “sequestrada e sua tripulação detida”. O governo maltês já se recusou a socorrer o navio.

O governo italiano se recusa a receber o navio em portos do país e acusa a ONG alemã de ter violado o direito internacional ao resgatar imigrantes na costa da Líbia, no momento em que a guarda-costeira do país africano estava prestes a socorrê-los.

O Lifeline aguarda neste sábado (23) em águas internacionais uma solução diplomática sobre seu destino. O navio espera também receber rapidamente água e alimentos para os 239 imigrantes a bordo, incluindo 14 mulheres e quatro crianças.

Europa dividia

O incidente acontece menos de uma semana após a odisseia de um outro navio humanitário, o Aquarius, que pôde finalmente aportar na Espanha com 630 imigrantes a bordo.

A cúpula dos dirigentes do bloco europeu no domingo (24) em Bruxelas deve ser marcada por muita tensão. Roma vai defender uma proposta mais severa para conter a imigração, que conta com o apoio de países do Leste Europeu e divide o bloco.

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, chegou a pensar em boicotar o encontro, mas mudou de ideia após uma conversa telefônica com a chanceler alemã. Angela Merkel relativizou a importância da cúpula, que vai contar com a presença de ao menos 16 integrantes da União Europeia, garantido que nenhuma decisão implicando o conjunto do bloco deve ser tomada.

Mas a polêmica entre Roma e seus parceiros europeus está longe de terminar. Na sexta-feira, o presidente francês, Emmanuel Macron, que já havia criticado o novo governo italiano, voltou a colocar mais lenha na fogueira denunciando “a lepra nacionalista na Europa”. A reação italiana foi imediata. O ministro Salvini disse “só aceitará lições” depois que o presidente francês “acolher milhares de imigrantes”.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.