Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/02 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 21/02 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 21/02 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/02 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/02 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/02 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 17/02 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 17/02 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Jornalista russo Babtchenko aparece vivo após ter sua morte anunciada em Kiev

media Arkadi Babchenko (no centro da imagem) era tido como morto, até aparecer em entrevista coletiva. REUTERS/Valentyn Ogirenko

O jornalista e escritor russo Arkadi Babchenko, declarado como morto a tiros em Kiev, onde estava exilado, apareceu vivo durante uma entrevista coletiva nesta quarta-feira (30). Ele afirmou ter encenado sua própria morte, que foi anunciada pela imprensa no mundo todo.

Kiev explicou que encenou a morte para impedir o assassinato do jornalista, que teria sido encomendado pela Rússia. "Graças a essa operação, conseguimos frustrar uma provocação cínica e documentar os preparativos para esse crime pelos serviços especiais russos", declarou o chefe dos serviços de segurança ucraniano, Vassyl Grytsak. Segundo ele, um matador ucraniano já teria sido recrutado por US$ 40 mil para executar a missão.

Durante a coletiva, Babchenko pediu desculpas a todos, principalmente a seus familiares, entre eles sua mulher Oletchka, que acreditaram na farsa. “Eu sinto muito, mas não tinha outra opção. Levamos dois meses para preparar essa operação”, declarou o jornalista.

Jornais do mundo todo repercutiram o anúncio da morte de Babchenko.

O jornal Le Monde anunciou a morte do jornalista na capa de sua edição impressa. Reprodução / Le Monde

O vespertino Le Monde que chegou às bancas na tarde desta quarta-feira, trouxe em sua capa uma foto do russo com a manchete “Emoção após o assassinato de um jornalista russo em Kiev”.

Trocas de farpas entre Moscou e Ucrânia

Ex-soldado russo, Babchenko, de 41 anos, se tornou um correspondente de guerra experiente e respeitado. Ao ter sua morte anunciada, a polícia declarou que privilegiava a pista de um crime relacionado com sua profissão.

"Estou seguro de que a máquina totalitária russa não perdoou sua honestidade", escreveu o primeiro-ministro ucraniano, Volodimir Groisman, em sua página do Facebook logo após o anúncio de sua morte. "Os assassinos devem ser punidos", completou.

As declarações foram criticadas pelo ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov. "Arkadi Babchenko foi assassinado, morto na escada de seu edifício, e o primeiro-ministro ucraniano responsabiliza os serviços especiais russos. É muito triste", disse Lavrov em uma entrevista coletiva em Moscou.

Após a aparição do jornalista, o ministério russo da Relações Exteriores acusou Kiev de usar “manobras de propaganda”.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.