Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/08 15h00 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/08 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

França congela os bens de suspeitos de promover armas químicas na Síria

media OPAQ, Organização para a Proibição de Armas Químicas, investiga ataques na Síria (23 de abril em Duma, Guta Oriental) REUTERS/ Ali Hashisho

A França congelou os bens de nove empresas e três pessoas suspeitas de alimentar o programa sírio de armas químicas. Os ministros da Economia e das Relações Exteriores anunciaram, juntos, a medida. Nesta sexta-feira (18), Paris foi palco de uma reunião internacional sobre a luta contra ataques desse tipo.

Em nota, os ministros franceses das Relações Exteriores e da Economia anunciaram o bloqueio de bens de nove empresas, domiciliadas em sua maioria na Síria, no Líbano e na China.  Três pessoas, duas de nacionalidade síria e uma de origem libanesa também tiveram suas contas congeladas. A suspeita é de que eles tenham financiado o programa sírio de armas químicas.

As contas ficarão indisponíveis por seis meses a partir de hoje. Entre as empresas estão Al Mahrous Group (Damasco) - com duas filiais em Dubai e Egito -, Sigmatec (Damasco), Technolab (Líbano) e um grupo de comércio com sede em Guangzhu (China). A França já havia tomado uma decisão similar em janeiro a respeito de 25 empresas e diretores de empresas sírias, francesas, libanesas e chinesas.

O último ataque químico em Duma, perto de Damasco, em 7 de abril, deixou pelo menos 40 mortos, de acordo com o serviço de emergência, e provocou bombardeios aéreos dos Estados Unidos, França e Grã-Bretanha contra instalações do regime sírio, que nega qualquer envolvimento.

Após os ataques na Síria, onde se comprovou o uso de cloro e gás sarin, e o envenenamento por neurotoxina de um ex-agente russo na Inglaterra, 33 países decidiram se reunir em Paris para iniciar uma parceria internacional contra a impunidade no uso de armas químicas. O projeto quer criar um mecanismo de investigação para conseguir provar de fato a responsabilidade da Síria, mesmo com a oposição de países como a Rússia e o Irã, aliados do regime de Bachar al-Assad.

Na quarta-feira (16), a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) confirmou que houve uso de cloro durante um bombardeio à cidade síria de Saraqeb. Uma missão de investigação da OPAQ foi até o local. Outros resultados são aguardados para o caso do ataque de abril em Duma.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.