Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/05 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/05 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/05 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/05 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/05 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 20/05 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 20/05 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Separatista Quim Torra toma posse como presidente da Catalunha

media O Parlamento da Catalunha investiu nesta segunda-feira como presidente da região Quim Torra, candidato apresentando pelo destituído Carles Puigdemont. REUTERS/Albert Gea

O Parlamento da Catalunha investiu Quim Torra como presidente da região nesta segunda-feira (14). A posse do candidato, eleito com apenas um voto de vantagem, tem como objetivo encerrar seis meses de impasse político.

Este editor de 55 anos, membro da ala radical do independentismo catalão, foi eleito com 66 votos a favor, 65 contrários e quatro abstenções. Em um breve discurso após a votação, ele deixou claras as suas intenções: "Viva a Catalunha livre", afirmou.

Nos próximos dias, Torra deverá formar um governo nesta região de 7,5 milhões de habitantes, requisito para o fim da intervenção de Madri na autonomia catalã, decretada após a frustrada declaração de independência de 27 de outubro.  "Vamos apostar no entendimento, mas da mesma maneira que afirmo isto, garanto que a lei e a Constituição espanhola serão cumpridas", completou o novo presidente.

Apesar de defender o diálogo com Madri, Torra, que foi apresentado pelo presidente destituído Carles Puigdemont, está alinhado com a estratégia de seu antecessor, partidário de manter a tensão com o Estado. "Seremos leais ao mandato do referendo de autodeterminação de 1º de outubro: construir um Estado independente em forma de república", afirmou o candidato horas antes do voto.

A eleição nesta segunda-feira foi possível graças à abstenção dos quatro deputados da CUP (Candidatura de Unidade Popular), um pequeno partido independentista de extrema-esquerda, que defende a desobediência e o confronto com Madri. Após consultar suas bases, a legenda anunciou a abstenção para não bloquear "a formação de um novo governo", mas advertiu que fará oposição ativa a qualquer plano de governo "que não avance na construção de medidas republicanas".

Para seduzir a CUP, Torra se comprometeu a recuperar algumas leis suspensas pela justiça espanhola, iniciar a redação de uma Constituição catalã e criar um governo e parlamento paralelos no exílio para estimular a secessão. O novo presidente também disse que vai facilitar o retorno ao poder de Puigdemont, que ele chama de "presidente legítimo". 

Segundo Torra, Puigdemont delegou "provisoriamente" o poder para evitar a convocação de novas eleições após meses de paralisação política.

O ex-presidente destituído, que fugiu para o exterior antes de ser processado por rebelião, está em liberdade sob fiança na Alemanha, e aguarda para saber se será extraditado. 

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.