Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/10 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/10 09h30 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/10 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Milhares vão às ruas em Londres contra estagnação dos salários no funcionalismo público

media Milhares de pessoas responderam à convocação da organização sindical Trades Union Congress (TUC) REUTERS/Toby Melville

Os funcionários públicos britânicos foram às ruas neste sábado (12) em um gigantesco protesto contra a estagnação dos salários. O chefe da oposição trabalhista, Jeremy Corbyn, participou do cortejo.

Os manifestantes foram convocados pela organização sindical Trades Union Congress (TUC). Eles reivindicam uma alta do salário mínimo, mais segurança no emprego e investimentos no setor público. “Estamos aqui para fazer uma campanha o tempo que for necessário para conquistar justiça social e decência à sociedade”, declarou Corbyn.

Um estudo divulgado pelo TUC mostrou que os funcionários públicos vão ter que esperar até 2025 para que seus salários atinjam os níveis registrados antes da crise financeira de 2008. Segundo a secretária-geral da força sindical, Frances O’Grady, “nem após a crise de 1929 e a Segunda Guerra Mundial os salários demoraram tanto tempo para voltar ao normal”.

Corbyn declarou que se voltar ao poder, o Partido Trabalhista vai investir na formação dos jovens, na construção de moradias e na nacionalização de alguns setores. Além disso, ele prometeu dar aos empregados mais poder de decisão na gestão das empresas.

Já o governo da primeira-ministra Theresa May defende seu balanço econômico e afirma ter aumentado o número de empregos, além de ter reajustado os salários mais baixos e investido na formação.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.