Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 24/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 24/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 24/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 24/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Protestos marcam posse dos novos deputados do Parlamento húngaro

media Manifestantes na praça do Parlamento húngaro protestam contra o governo do primeiro-ministro Viktor Orban (8 de maio)) REUTERS/Bernadett Szabo

Dominado pelo partido conservador do primeiro-ministro Viktor Orban, o Parlamento húngaro foi palco da posse dos deputados sob as vaias de milhares de manifestantes. Orban iniciará na quinta-feira (10) uma nova gestão em uma Hungria mais dividida do que nunca entre os que apoiam a batalha contra a imigração e os que o acusam de ser antidemocrático.

Cerca de 20 mil pessoas, segundo uma estimativa da AFP, saíram as ruas de Budapeste para protestar contra Orban e seu governo. Na frente do parlamento, várias bandeiras da União Europeia foram erguidas e gritos contra o autoritarismo do primeiro-ministro eram ouvidos.

“Viktor Orban não é nem cristão, nem democrata” afirmou Balaws Gulyas, um dos organizadores da manifestação, comentando a mais recente declaração de Orban, quando o líder disse ser o maior defensor das raízes cristãs do país.

Orban, que tomará posse oficialmente nesta quinta-feira (10), saiu fortalecido das últimas eleições legislativas. Com 133 dos 199 deputados no parlamento, o partido Fidesz do primeiro ministro tem agora uma importante maioria de dois terços que abre a possibilidade de uma revisão da constituição do país.

Redes sociais

Após as eleições legislativas de 8 de abril, que garantiram a Orban uma vitória ainda mais ampla que o previsto, milhares de húngaros se juntaram a um protesto lançado nas redes sociais sob o lema "Nós somos a maioria". Mas sem planejamento e um verdadeiro líder, o movimento se enfraqueceu.

“Não foi possível chegar a lugar nenhum porque não conseguimos expressar objetivos concretos” reconheceu o aposentado Janos Barlai que também saiu às ruas para manifestar.

Com informações da AFP

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.