Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 25/05 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 25/05 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 25/05 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/05 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 24/05 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 20/05 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 20/05 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Pais de bebê britânico em estado terminal são impedidos pela Justiça de levá-lo à Itália

media Thomas Evans, pai do bebê Alfie Evans, é recebido pelo Papa Francisco no Vaticano em 18 de abril de 2018. REUTERS/Max Rossi/File Photo

Os pais do pequeno Alfie, um bebê britânico de 23 meses em estado terminal, sofreram nesta quarta-feira (25) um novo revés da Justiça de seu país, que negou um recurso para transferir seu filho à Itália para continuar o tratamento. O bebê sofre de uma rara doença neurológica degenerativa.

A Justiça britânica determinou que as apelações apresentadas separadamente pelo pai e pela mãe do bebê "devem ser rechaçadas", declarou o juiz Andrew McFarlane, da Alta Corte de Londres.

Com o apoio do papa Francisco e do governo italiano, o objetivo dos pais de Alfie era que lhes permitissem levar à Itália seu filho em estado semivegetativo, depois que os médicos britânicos decidiram interromper o tratamento que aplicavam nele.

Com a permissão da Justiça, o Hospital Alder Hey de Liverpool desconectou, na segunda-feira, o menino do suporte vital, pois os médios consideram que não há esperanças de recuperação, e mantê-lo vivo é prolongar seu sofrimento.

Entretanto, o apoio do papa Francisco aos pais e a oferta de um hospital de Roma, administrado pelo Vaticano, de receber o menino, que rapidamente obteve a nacionalidade italiana, impulsionou os pais Tom Evans e Kate James a apresentar mais um recurso. "Poderia estar na Itália a essa hora", lamentou na terça-feira Tom Evans. "Eu não o abandono porque Alfie respira, não sofre".

Evans fez essas declarações depois que o juiz Anthony Hayden assegurou, em uma audiência especial em Manchester, que este caso havia chegado ao seu "capítulo final", negando o pedido da família de transferir para a Itália o bebê.

Rara doença neurológica degenerativa

A Alta Corte de Justiça britânica, a Corte de Apelação, a Suprema Corte e o Tribunal Europeu de Direitos Humanos já haviam negado o pedido dos pais. Alfie sofre de uma rara doença neurológica degenerativa e está hospitalizado desde dezembro de 2016.

Na segunda-feira (23) à noite, o mesmo juiz rejeitou o último pedido dos pais e autorizou os médicos a finalizarem o atendimento. Na terça (24), o pai do bebê confirmou que os médicos haviam retirado os sistemas de suporte vital e que, no entanto, o menino estava há horas respirando sozinho.

Hayden negou a possibilidade de levar o bebê à Itália e as afirmações dos pais de que Alfie estava "significativamente melhor" desde que os médicos interromperam os cuidados. O Hospital pediátrico Bambino Gesu (menino Jesus) de Roma, que é administrado pelo Vaticano, disse que há um avião médico militar italiano pronto para decolar a qualquer momento e trasladar o bebê.

Centenas de manifestantes se reúnem diariamente em frente ao hospital onde Alfie está sendo atendido, rezando o "Pai Nosso" e gritando "Salvem Alfie Evans". O Real colégio de pediatria e saúde infantil emitiu, nesta terça-feira, um comunicado defendendo os médicos, assegurando que "a decisão de manter ou retirar o tratamento a um bebê não se toma sem reflexão".

O órgão colegiado lembrou que se o tratamento causa ao bebê "uma dor e um sofrimento inaceitáveis" sem possibilidade de cura, é melhor não seguir com ele.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.