Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 13/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 13/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 13/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 13/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 12/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 12/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Andrea Nahles é a primeira mulher a liderar o mais antigo partido da Alemanha

media Andrea Nahles, a nova presidente do tradicional partido alemão SPD, em 22 de abril de 2018. REUTERS/Ralph Orlowski

O Partido Social Democrata (SPD) elegeu neste domingo (22) como presidente a ex-ministra Andrea Nahles. Ela será a primeira mulher a liderar o partido político mais antigo da Alemanha.

Andrea Nahles, 47, era a favorita ao posto, se opondo a outra político menos conhecida na Alemanha, Simone Lange, 41, a prefeita de Flensburg, no extremo norte da Alemanha. É a primeira vez em 154 anos que o Partido Social Democrata (SPD) terá uma mulher em sua liderança.

O SPD, cuja fundação remonta a maio de 1863 e que governa atualmente o país numa coligação com o bloco conservador de Angela Merkel, foi, antes de Andrea Nahles, liderado por Martin Schulz, que renunciou ao cargo após a pior derrota sofrida pelo partido desde a Segunda Guerra Mundial.

O SPD arrecadou 20,5% dos votos em 24 de setembro passado, cinco pontos percentuais a menos que nas eleições legislativas anteriores. Segundo uma pesquisa do Instituto Emnid, publicada neste domingo (22) pelo Bild am Sonntag, ele é agora creditado apenas com 18% de intenções de voto, pouco mais do que o terceiro colocado, o AfD, uma formação da extrema-direita alemã, que surgiu em 2013 e possui agora 13%. 

Andrea Nahles deve liderar os esforços do SPD para retomar o prestígio político de seu partido, tentando apresentar novas propostas e novos rostos, para voltar à frente da cena política na Alemanha.

"Você pode renovar um país enquanto está no governo - eu pretendo provar isso a partir de amanhã ", disse Andrea Nahles em um discurso apaixonado, antes da votação.

Ainda falta para Nahles a difícil tarefa de conquistar a confiança dos alemães. Segundo a pesquisa da Emnid, menos de um quarto dos entrevistados acreditam que  ela pode refazer do SPD um partido vencedor, uma dura missão que exigiria trazer de volta eleitores que migraram para o AfD, de extrema-direita.

Currículo

Andrea Nahles é ex-ministra do Trabalho, mas também ex-líder da Juventude Socialista alemã (Jusos), ramo do partido mais marcado à esquerda do que o próprio SPD.

Resta saber se Nahles reencontrará suas raízes e imprimirá no partido uma curva à esquerda, com vistas a uma futura coligação com os Verdes e com o Die Linke, da esquerda radical, ou se vai se opor a Angela Merkel ao centro, como o partido fez durante a última campanha eleitoral.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.