Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Festival que celebra aniversário de Hitler gera revolta na Alemanha

media Evento que acontece no dia do nascimento de Hitler deve reunir 800 pessoas Photo: Reuters

Um evento comemorando o aniversário de Hitler acontece nesta sexta-feira (20) na cidade de Ostritz, na Alemanha. Apesar do caráter sombrio do festival, os organizadores se apoiam no direito de se manifestar e estão dentro da lei.

Mais de 800 pessoas são esperadas no “Shield and Sword” (Escudo e Espada, em inglês), que deve reunir alemães, poloneses e tchecos. O evento vai ocorrer numa propriedade privada de um dos membros do partido de extrema-direita NPD e tem no programa espetáculos de artes marciais, shows e discursos políticos.

Oficialmente, o evento não passa de um “festival de música” um pouco controverso, com participantes que se reivindicam “nacionalistas” e “patriotas”, e que ocorre no dia do aniversário de Adolf Hitler, ditador nascido em 20 de abril de 1889 cujos atos de terror ainda não cicatrizaram na memória da Europa. De acordo com os organizadores, isso é apenas um acaso.

É sob essa fachada que os organizadores – sendo um deles Thorsten Heise, membro do NPD – conseguiram permanecer dentro da legislação, já que na Alemanha a incitação ao ódio racial e a apologia ao crime contra a humanidade são punidas.

Segundo a legislação alemã, somente após o fim do festival é que a justiça poderá abrir uma investigação para verificar se, durante o evento, houve a prática de gestos proibidos como a saudação nazista ou discursos fazendo referência ao regime instaurado por Hitler.

Falha na democracia

A possibilidade de organizar um evento dessa natureza representa uma falha na democracia para Hélène Miard-Delacroix, professora da Sorbonne e especialista da Alemanha contemporânea. “Antes que o festival aconteça, nada pode ser feito, já que a Alemanha é um Estado de direito, onde os cidadãos são livres para se manifestar”, afirmou em entrevista ao Huffington Post.

Com o anúncio do festival, diversas cidades da região iniciaram uma luta para que o evento fosse cancelado. “Não queremos e não precisamos de um festival de extrema-direita aqui! Nem em Ostritz, nem em qualquer outro lugar! Aqueles que ignoram os Direitos Humanos, que lutam contra a democracia e contra a diversidade não são bem-vindos aqui”, argumentaram os prefeitos em um comunicado.

A alemã Sascha Elser, porta-voz do movimento “Rechts Rockt Nicht”, também se manifestou contra a festividade. “Se podemos nos reunir e celebrar o aniversário de Hitler sem problema, isso mostra claramente que nossas leis e nossa sociedade estão doentes”, disse.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.