Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/02 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/02 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/02 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/02 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/02 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/02 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 17/02 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 17/02 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Imprensa francesa anuncia morte do estilista Karl Lagerfeld, da Chanel
Europa

Em Malta, corrupção tem até venda de passaporte europeu

media Protesto pela morte da jornalista Daphne Galizia, que realizava investigações contra o poder e foi assassinada em Malta. REUTERS/Darrin Zammit Lupi/File Photo

Um grupo de 45 jornalistas de 18 veículos do mundo inteiro publica os resultados de investigações realizadas pela jornalista e blogueira maltesa Daphne Caruana Galizia, especialista em desvendar casos de corrupção na pequena ilha e assassinada há seis meses. Integrante do “Projeto Daphne”, que visa batalhar por justiça pela morte da repórter e dar continuidade ao trabalho dela, o diário francês Le Monde traz detalhes sobre um negócio lucrativo que chegou às altas esferas do poder de Malta: a venda de passaportes do país, membro da União Europeia.

Com o documento, comercializado por € 1 milhão, o cidadão tem acesso livre ao espaço europeu. Segundo o Monde, “um programa de venda de passaportes foi implementado pelo governo trabalhista maltês em 2013, forjado à imagem do modelo em voga no Caribe, São Cristóvão e Nevis e Antígua e Barbuda”. O modelo consiste em oferecer o documento em troca de residir pelo menos um ano na ilha, como estipula a regra da Comissão Europeia para os pedidos de naturalização, e pagar a soma em dinheiro.

A condição de residência, no entanto, é raramente respeitada. Foi desta forma, revela o jornal francês, que o milionário russo Arkady Yurievich Volozh, dono do Yandex, o Google russo, “comprou passaportes para toda a sua família em 2016, inclusive seus pais e filhos”.

Livre circulação, impostos vantajosos e prosperidade nos negócios

A família, porém, nunca foi vista em Malta – com frequência, os endereços apresentados pelos candidatos à cidadania correspondem a casas abandonadas. Além do livre acesso aos 27 países do bloco europeu, o passaporte maltês oferece as amplas vantagens fiscais dos moradores da ilha. Empresários costumam comprar o passaporte para facilitar os negócios na União Europeia.

“O programa, lucrativo, mas arriscado, instalado em uma ilha corroída pela corrupção, se destina a atrair o capital estrangeiro para estimular a economia e, no papel, foi concebido para proteger os seus cidadãos da instabilidade de seus países-natais. No entanto, ele foi desviado do seu objetivo”, explica o texto.

A reportagem indica que o primeiro-ministro de Malta, Joseph Muscat, estava diretamente envolvido em uma ação judicial para dispersar a atenção da jornalista Daphne Galizia e, desta forma, impedir a publicação da investigação sobre a venda de passaportes, da qual ele se beneficiava.

Jornalista morre em carro-bomba

Galizia era conhecida como “WikiLeaks solitária” devido suas às reportagens, que geravam transtornos para políticos e empresários malteses. Ela foi assassinada em 17 de outubro de 2017, ao embarcar em seu carro no qual foi instalada uma bomba. Três homens foram presos e acusados pela morte, mas a identidade dos eventuais mandantes do crime permanece um mistério.

Os jornalistas do Projeto Daphne recolheram discretamente os milhares de documentos deixados por ela e se aprofundaram nas investigações iniciadas pela repórter. As matérias começaram a ser publicadas nesta semana em veículos como The Guardian, do Reino Unido, e Radio France, da França. O projeto é coordenado pelo Forbidden Stories, uma rede internacional de jornalistas que dá continuidade ao trabalho de repórteres presos ou assassinados.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.