Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/07 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/07 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/07 09h30 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/07 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

OPAQ confirmou identidade de agente neurotóxico que envenenou ex-espião russo

media Inspetores da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) no local onde o ex-espião russo Sergei Skripal foi envenenado. Salisbury, Inglaterra, em 21 de março de 2018. REUTERS/Peter Nicholls/File Photo

A Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) confirmou nesta quinta-feira (12) a descoberta do governo britânico sobre a identidade do veneno utilizado contra um ex-espião russo e sua filha na Inglaterra, empurrando Londres a reiterar suas acusações contra a Rússia.    

"Os resultados da análise realizada pelos laboratórios designados pela OPAQ (...) confirmam as conclusões do Reino Unido em relação à identidade do agente químico tóxico usado em Salisbury que feriu gravemente três pessoas", disse a organização em um comunicado divulgado em Londres. A substância química é de "alta pureza", disse, sem estabelecer responsabilidades.  

O governo britânico designou a substância como um agente de inervação de tipo militar da família Novitchok, e responsabilizou Moscou pelo ataque ao ex-agente duplo russo Sergei Skripal, 66, e sua filha Yulia, 33, no dia 4 de março em Salisbury.   

Para permitir que a OPAQ realizasse suas próprias análises, a Justiça britânica havia autorizado em março a coleta de amostras de sangue dos Skripal, bem como de um policial britânico que havia sido envenenado ao resgatá-los.  
 
Moscou nega categoricamente qualquer envolvimento, denunciando a "provocação" do Ocidente e uma "campanha antirrussa". O caso provocou uma grave crise diplomática entre Moscou e o Ocidente, que resultou na maior onda de expulsões cruzadas de diplomatas da história.    
 
Esperando "respostas" do Kremlin      

Com base nessas conclusões, Londres reiterou na quinta-feira (12) suas acusações contra Moscou.  
 
"Não pode haver dúvida sobre o que foi usado e não há explicação alternativa sobre o responsável - apenas a Rússia tem os meios, o motivo e a experiência na matéria", disse o ministro das Relações Exteriores britânico, Boris Johnson, em um comunicado.    

"Nós nunca duvidamos da análise conduzida por nossos cientistas de Porton Down", disse, referindo-se ao laboratório militar britânico que  identificou o veneno, acrescentou. "O Kremlin deve fornecer respostas", desafiou o ministro.    
O chefe da diplomacia convocou uma reunião da OPAQ em 18 de abril para "estudar os próximos passos".    

"Trabalharemos incansavelmente com nossos parceiros para impedir o uso inaceitável de tais armas e convocamos uma sessão do Conselho Executivo da OPAQ para a próxima quarta-feira", disse ele.    

A OPAQ esclareceu que o nome e a estrutura do produto químico identificado constavam no relatório de classificação completo disponível para os Estados-membros. No início de abril, a Rússia não conseguiu convencer a organização a incluí-la na investigação sobre o envenenamento de Skripal e levou o caso ao Conselho de Segurança da ONU.  

Em setembro de 2017, o presidente Vladimir Putin declarou que a Rússia havia destruído suas últimas reservas de armas químicas herdadas da Guerra Fria, de acordo com os termos da Convenção de 1997 sobre a Proibição de Armas Químicas.  
 
Yulia Skripal conseguiu sair do hospital na segunda-feira (9), um mês e meio depois de ter sido internada em estado grave. O policial ferido já havia saído do hospital.    

A condição de seu pai está melhorando constantemente, mas ele permanece hospitalizado, segundo os médicos seguem o caso. Yulia tinha vindo da Rússia para visitá-lo em Salisbury, onde o ex-espião vive depois de ter sido objeto de uma troca de prisioneiros com Moscou em 2010, enquanto cumpria uma sentença de 13 anos de prisão por colaborar com serviços britânicos.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.