Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/07 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/07 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/07 09h30 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/07 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Filha de ex-espião russo envenenado na Inglaterra recebe alta; seu pai continua hospitalizado

media O Hospital de Salisbury é visto após a alta de Yulia Skripal. 10/04/18, Salisbury, Grã-Bretanha. REUTERS/Peter Nicholls

Yulia Skripal, a filha do ex-espião russo Serguei Skripal, envenenada ao lado do pai com uma substância neurotóxica na Inglaterra, recebeu alta, anunciou nesta terça-feira (10) o hospital em que ela estava internada desde el 4 de março.

"Nós demos alta a Yulia do Hospital do Distrito de Salisbury", afirmou a diretora do centro médico, Christine Blanshard.

Ela disse ainda que o ex-coronel russo também vai se recuperar e receberá alta "em algum momento".

Os Skripal foram encontrados inconscientes em 4 de março em um banco em uma rua de Salisbury, cidade do sudoeste da Inglaterra, depois que foram expostos a um gás nervoso, em um atentado que Londres atribui a Moscou.

Yulia, 33 anos, visitava o pai Serguei, 66, quando aconteceu o ataque.

Serguei Skripal foi coronel do serviço secreto militar russo, mas acabou condenado por alta traição por vender informações ao Reino Unido. Em 2010 foi envolvido em uma troca de espiões e se mudou para a Inglaterra.

O governo de Vladimir Putin nega com veemência qualquer envolvimento no atentado que, segundo as autoridades britânicas, foi executado com a substância Novichok, um agente nervoso produzido apenas em laboratórios militares russos.

O caso gerou uma crise diplomática entre o Reino Unido e a Rússia, na qual a primeira-ministra britânica Theresa May anunciou sanções contra a Rússia, sendo seguida pelos Estados Unidos e seus aliados na OTAN.

Os Estados Unidos expulsaram 60 "espiões" russos e fecharam o consulado da Rússia em Seattle como parte de um gesto coordenado com outros países ocidentais. Quatorze países da União Europeia decidiram expulsar diplomatas russos.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.