Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Excluído da presidencial russa, Alexei Navalny faz aparição surpresa em Moscou

media Apesar de estar fora da corrida presidencial, Alexeï Navalny (no centro da imagem) atraiu muitos partidários e jornalistas durante sua aparição surpresa na véspera do pleito em Moscou RFI

Alexei Navalny fez uma rápida aparição nas ruas de Moscou na tarde deste sábado (17), véspera da eleição presidencial russa. Navalny, que foi excluído da corrida eleitoral, continua sendo a figura mais importante da oposição no país, mesmo se evitou falar do pleito.

Enviado especial a Moscou

Nalvany participou de uma homenagem improvisada diante da casa de Boris Nemtsov, opositor russo morto em 2015 diante do Kremlin. A cerimônia deste sábado, que reuniu dezenas de pessoas, acontece um dia após a inauguração oficial de uma placa pela memória de Nemtsov.

Durante sua aparição deste sábado, Navalny não falou abertamente da eleição de domingo, alegando que não era o bom momento, já que estava ali para homenagear o colega, fundador do movimento Solidarnost. Mesmo assim, sua presença no local é simbólica, já que Nemtsov era um dos principais críticos do regime de Putin.

Nadejda Mitnchekrina é uma das dirigentes do movimento Solidarnost, que participava da homenagem a Boris Nemtsov, fundador do grupo. RFI

Considerado por muitos como o único candidato capaz de derrotar o atual presidente, Navalny foi excluído do pleito no ano passado, acusado pela justiça de desvio de dinheiro, algo que sempre negou. Fora do páreo, o opositor, muito popular junto ao eleitorado mais jovem, convocou o que chamou de “greve das urnas”, pedindo aos eleitores que não votem neste domingo. Ao contrário de um simples boicote, ele mobilizou milhares de partidários, que farão uma ronda nas zonas eleitorais para vigiar as possíveis fraudes no pleito.

Morte de Nemtsov gerou protestos durante a campanha

Nemtsov sempre foi um personagem importante na oposição ao governo Putin. Ex-vice-primeiro-ministro na época de Boris Yeltsin, ele foi morto com quatro balas nas costas, aos 55 anos. Mesmo se cinco homens foram condenados pelo assassinato, a família do opositor contesta o processo, já que o mandante do crime não foi encontrado.

Sua morte suscitou vários protestos, inclusive durante essa campanha presidencial. Em fevereiro, milhares de pessoas desfilaram nas ruas de Moscou carregando cartazes nos quais diziam “não temos medo” e “não vamos perdoar”.

Na sexta-feira, também passou diante da placa em homenagem a Nemtsov a candidata à presidência Ksenia Sobtchak, que tem enorme presença na mídia e é a única mulher na disputa. Porém, os militantes do movimento Solidarnost estimaram que a ex-apresentadora de televisão estava instrumentalizando o evento e boicotaram a inauguração oficial.

"O que nós precisamos não é de uma placa (para lembrar a morte de Nemtsov), e sim que as pessoas que organizaram esse assassinato sejam responsabilizados”, disse Navalny, antes de ir embora.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.