Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/04 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 25/04 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 25/04 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 25/04 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 25/04 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/04 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

“Geração Putin” vai às urnas pela primeira vez na Rússia

media Ana e Viktor fazem parte da nova geração de eleitores, que cresceu com Vladimir Putin no poder. RFI

A eleição presidencial deste domingo (18) na Rússia será a primeira da geração nascida no fim da União Soviética. Esses jovens eleitores, que votam pela primeira vez, vão às urnas tendo como única referência um país dirigido por Vladimir Putin, no poder desde 1999.

Enviado especial a Moscou

A escritora Svetlana Alexievitch, prêmio Nobel de Literatura em 2015, escreveu certa vez que “os que nasceram na União Soviética e os que nasceram depois não viveram a mesma coisa”. Para ela, “é como se eles viessem de planetas diferentes”.

A definição da autora não tem nada de exagero. Afinal, os russos viveram uma verdadeira transformação após o fim oficial da URSS com a Acordo de Minsk, em dezembro de 1991. Principalmente um mês depois, com a adoção, pelo presidente Boris Yeltsin, da chamada “terapia de choque”, nome dado à estratégia que fez o país sair de uma economia soviética para entrar na economia de mercado. Se, por um lado, muitos aproveitaram dessa mudança de sistema e enriqueceram, boa parte da população caiu na miséria, assistindo à avalanche de produtos ocidentais até então indisponíveis nas prateleiras, sem ter meios financeiros para consumir.

Os que viveram essa época ainda guardam na memória a crise dos anos 1990 e, para muitos deles, desde a chegada de Putin ao poder, a situação do país só melhorou. Já a geração nascida no final da URSS, que vota pela primeira vez este ano, tem como única referência uma Rússia dirigida pelo atual presidente, e não pode comparar. Além disso, em um país em que a mídia independente é quase inexistente, onde todos os canais de televisão pertencem ao governo e a censura ronda a internet, muitos se baseiam apenas nas histórias contadas por seus pais.

Maioria dos jovens vota Putin

Os números mostram que esses novos eleitores aderem mais facilmente ao sistema em vigor, o único que conhecem. A tal ponto que, segundo as pesquisas de opinião (realizadas por órgãos próximos do governo), 70% dos jovens que vão às urnas devem contribuir para a reeleição do presidente.

“Nos últimos anos, temos constatado um grande apoio dos jovens a Vladimir Putin. Eles não se interessam pela questão social e política. Ao contrário da geração precedente, que seguia uma tendência mais democrata, eles são muito receptivos à retórica patriótica em vigor atualmente no país”, explica Natalia Zorkaya, socióloga no instituto Levada, um dos raros órgãos independentes de pesquisa na Rússia.

Segundo a pesquisadora, poucos contestam as ideias de Putin. “De uma certa maneira, podemos dizer que o medo da mudança faz parte do DNA dessa geração. A maioria prefere se adaptar à situação ao invés de agir. Eles repetem o modelo de seus pais.”

O centro Levada não divulga pesquisas de intenção de voto este ano temendo a repressão, já que é considerado, desde 2016, como “agente estrangeiro”, segundo uma lei visando, entre outros, os institutos de pesquisas independentes. Mas a entidade afirma que 65% dos russos entre 18 e 24 anos, que representam essa “geração Putin”, não se posicionam politicamente e não planejam suas vidas a longo prazo, se contentando em imaginar o que vai acontecer apenas nos próximos dois anos. Uma dificuldade de se projetar que diz muito sobre o desânimo que toma conta dessa geração.

“Não espero muita coisa dessa eleição”

Para testar o que relata a socióloga, basta dar uma volta pelas ruas de Moscou, onde, às vésperas da eleição, e apesar da forte campanha feita para mobilizar os eleitores, os jovens que votam pela primeira vez se mostram bastante apáticos diante do pleito. “Não espero muita coisa dessa eleição”, comenta Ekaterina, 20 anos. Já seu namorado, Serguei, 24 anos, constata apenas que "Putin vai ganhar".

Ekaterina e Serguei não esperam muito dessa eleição presidencial russa. RFI

O único momento em que se empolga é ao ser questionado sobre os parlamentares russos. “Eles não fazem nada e já estão lá há muito tempo. Têm que ir embora”, esbraveja. Mas o que pensa de Putin, que já está no poder há quase 20 anos? “Não vejo ninguém por enquanto que possa substituí-lo. Para mim, ele é o candidato que vale a pena”, afirma, sem explicar claramente as razões.

Já Viktor, 32 anos, e a namorada Ana, 22, parecem mais interessados pela eleição de domingo, mesmo se não sabem se conseguirão votar. De férias em Moscou, eles voltam para o interior do país, onde moram, apenas no domingo. “Mas, se der tempo, vamos votar. Cada indivíduo espera melhorias”, afirma o rapaz. “Esperamos viver melhor”, completa a namorada, sem conseguir definir o que representa exatamente esse “viver melhor” que almeja.

Alguns chegam a levar o pleito na brincadeira, como Katerina e Evguenie, de 25 e 31 anos, respectivamente. Eles fizeram uma aposta com amigos para saber quem vota primeiro e prometem estar na zona eleitoral às 8h da manhã. Mas preferem não dizer para quem vão votar.

Katerina e Evguenie fizeram aposta com amigos para saber quem vai votar primeiro. RFI

Candidatos antissistema também conquistam jovens eleitores

Porém, isso não significaque todos os jovens da “geração Putin” apoiam o presidente-candidato. Muitos aderem ao discurso antissistema de Ksenia Sobchak, a surpresa desse pleito, com uma campanha “contra todos”, mas sem programa efetivo e que não deve chegar aos 5% de votos.

Outros jovens eleitores contestam abertamente o poder do chefe de Estado e defendem as ideias de nomes como Alexei Nalvany, opositor ferrenho do líder do Kremlim, mas que ficou fora do páreo, acusado de supostos problemas com a Justiça. Mesmo assim, seus seguidores fazem uma campanha paralela de mobilização, inclusive com uma espécie de vigília antifraude que vai rondar as zonas eleitorais.

Diante do risco de abstenção, que poderia arranhar a imagem de Putin e suscitar questões sobre a legitimidade do pleito, os opositores estão de olho para saber se o número de votos contabilizados vai realmente corresponder ao número de eleitores que enfrentarão o frio neste domingo para votar. As temperaturas previstas são de menos 12 a 5 graus negativos.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.