Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

França, Alemanha, Reino Unido e EUA exigem resposta da Rússia sobre agente neurotóxico

media A premiê britânica Theresa May visita o local do envenenamento do ex-espião russo em Salisbury, em 15 de março de 2018. REUTERS/Toby Melville/Pool

Berlim, Paris, Londres e Washington declararam, em um comunicado conjunto emitido nesta quinta-feira (15), que a tentativa de assassinato do antigo agente duplo russo Sergei Skripal, atribuído à Rússia, constitui uma "ameaça” para a segurança de seus países.

A Rússia negou qualquer responsabilidade pelo envenenamento de Sergei Skripal e sua filha Yulia em 4 de março, em Salisbury, no sudoeste da Inglaterra. "Este uso de agente neurotóxico militar, de um tipo desenvolvido pela Rússia, é o primeiro uso ofensivo deste tipo de substância na Europa desde a Segunda Guerra Mundial ", escrevem os quatro dirigentes dos países europeus em uma declaração conjunta.

"Este é um ataque à soberania britânica e qualquer uso por um Estado deste agente neuroquímico constitui uma violação da Convenção sobre Armas Químicas e uma violação do Direito Internacional. Isso ameaça a segurança de todos ", acrescenta o comunicado conjunto.

Os quatro líderes convocaram a Rússia a fornecer todos os dados de seu programa Novitckok para a Organização pela Proibição de Armas Químicas (OIAC). A premiê britânica, Theresa May, que esteve pela primeira vez nesta quinta-feira em Salisbury, onde ocorreu o envenenamento, que “isso aconteceu no Reino Unido, mas poderia ter sido em qualquer lugar. Estamos unidos para evitar essa possibilidade”.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.