Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 16/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 16/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 16/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 16/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Ursula von der Leyen é eleita e se torna a primeira mulher presidente da Comissão Europeia
Europa

Espanha faz sua primeira greve geral feminista da história

media Manifestantes mantêm luvas enquanto participam de uma greve pelos direitos das mulheres em Portugalete, Espanha, 8 de março de 2018, no Dia Internacional da Mulher. REUTERS/Vincent West

Os principais movimentos sindicais e sociais na Espanha organizam nesta quinta-feira (8) a primeira greve geral feminista do país, em defesa dos direitos das mulheres. Segundo dados do Eurostat, instituto de estatística da Comissão Europeia, as espanholas ganham em média 14,9% a menos do que os homens para realizar o mesmo trabalho.

Apesar de a Espanha estar em uma posição melhor do que a média europeia (a desigualdade salarial no bloco é de 16,3%) e de ter registrado uma grande evolução nos últimos 20 anos, ainda falta muito para se chegar a uma situação de equilíbrio. O salário médio das espanholas é, de maneira geral, 23% mais baixo.

“Ainda temos muito o que fazer. As mulheres ganham aposentadorias menores, têm empregos mais precários, realizam o essencial das tarefas domésticas e ainda são questionadas quando prestam queixa por estupro. Mais de mil foram assassinadas em 14 anos”, explicou Ruth Caravantes, porta-voz da comissão 8M, que reúne diferentes movimentos feministas, em entrevista ao jornal Le Monde.

Segundo uma pesquisa realizada pelo jornal El Pais, 82% dos espanhois estimam que a greve é justificada. “É preciso transformar nossa sociedade e esta nossa greve é uma maneira de chamar a atenção do nosso vizinho, colega, chefe, ou do governo”, declarou. Alguns grupos feministas também pediram às mulheres que renunciem às tarefas domésticas hoje.

Governo decepciona  manifestantes

Os sindicatos minoritários CNT e CGT, os partidos Esquerda Unida (IU) e Podemos estão apoiando a paralisação que envolve trabalhadoras e estudantes, mas também cientistas, universitárias, jornalistas e artistas. Em solidariedade ao movimento, a atriz Penélope Cruz anunciou que cancelaria alguns de seus compromissos e que deixaria seus dois filhos com o pai, o ator Javier Bardem.

Já a reação do governo foi decepcionante para as manifestantes. Duas das cinco mulheres do governo de Mariano Rajoy declararam que a greve deveria ser “silenciosa”. O chefe de governo espanhol preferiu não dar declarações sobre a paralisação, mas aceitou receber um coletivo de camareiras, que se queixam dos empregos cada vez mais precários e mal pagos. Cerca de cem manifestações devem ser organizadas durante o dia na capital espanhola. A maior delas acontece às 19h pelo horário local.

Perturbação no transporte

A greve geral também deve gerar perturbações no transporte ferroviário, segundo a companhia nacional Renfe. Nos trajetos nas regiões metropolitanas, 200 dos 568 trens não vão circular, assim como 75% dos trens que fazem longos trajetos.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.