Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/05 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/05 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/05 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/05 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 21/05 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 21/05 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 20/05 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 20/05 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Acordo Mercosul-UE é "inaceitável", diz ministro francês

media Agricultores franceses protestam contra o acordo entre o Mercosul e a União Europeia, na última quarta-feira. Reuters/Emmanuel Foudrot

Em uma entrevista concedida ao diário francês "Journal du Dimanche", neste domingo (25), o ministro francês da Transição ecológica, Nicolas Hulot, declarou que o tratado de livre-comércio entre a União Europeia e o Mercosul, formado por Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai, é inaceitável.

Os criadores franceses estão preocupados com a importação de carne produzida com menos garantias sanitárias, lembra o ministro francês.

No ano passado, o escândalo no Brasil que culminou na "Operação Carne Fraca", teve uma grande repercussão na Europa. O caso envolveu 21 frigoríficos brasileiros que pagavam propinas para inspetores, que liberavam alimentos impróprios para consumo e que eram inclusive exportados.

Segundo Hulot, os agricultores franceses também são submetidos a normas rígidas que envolvem esforços para preservar o meio-ambiente e criar menos poluição.

Para Hulot, essas obrigações não são cumpridas em outras partes do mundo, o que torna a concorrência entre os produtos desleal. Na última quarta-feira (21), o sindicato do setor organizou diversas manifestações contrárias ao acordo, em várias regiões da França.

Preços mais baixos

Em janeiro, a Federação dos Produtores Bovinos francesas também manifestou sua preocupação com o aumento das cotas de importação de carne bovina estabelecidas no tratado, que prevê a compra de até 70.000 toneladas do produto por ano, com isenção das taxas alfandegárias. O Mercosul, que já representa cerca de 3/4 da carne importada pelos países europeus, pede que a Uniao Europeia suba essa cota para 99.000 toneladas.

Em contrapartida, a União Europeia espera uma abertura do mercado latino aos automóveis, vinhos e laticínios do bloco. De acordo com as estimativas do Instituto de Pecuária, a importação da carne latino americana poderia baixar os preços em 10% na França, e entre 25 mil e 30 mil empregos no setor desapareceriam no país.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.