Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 16/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 16/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 16/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 16/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Documentário sobre impeachment de Dilma ganha 3° lugar no prêmio do público em Berlim

media A diretora brasileira Maria Augusta Ramos, do filme O Processo, premiado na Berlinale em 24 de fevereiro de 2018. REUTERS/Hannibal Hanschke

Conhecida por filmar o sistema judiciário, a diretora brasileira Maria Augusta Ramos ganhou neste sábado (24) o 3° lugar no prêmio do público na Berlinale de 2018 com o documentário O Processo, que retrata os bastidores do processo de impeachment da ex-presidente brasileira Dilma Rousseff.

A trilogia de premiados documentários de Maria Augusta Ramos, 52, é formada por Justiça, Juízo e Morro dos Prazeres e é respeitada por mostrar, de maneira quase cirúrgica, temas complexos. Mas com O Processo, Maria Augusta Ramos se lançou em um desafio ambicioso: expor, inclusive para um olhar estrangeiro, já que o filme é projetado pela primeira vez na Berlinale, os meandros do impeachment que sacudiu o Brasil em 2016.

Ao falar sobre o projeto para a RFI Brasil em Berlim, a diretora dá a impressão de que, apesar da experiência, esse filme foi mais desafiador que os demais. “Como brasileira e como ser social que sou, foi muito difícil viver esse processo. Mas ao mesmo tempo, foi comovente ver a defesa da presidenta de perto, ver o trabalho do José Eduardo Cardozo (advogado de Dilma), dos assessores e senadores que estavam na comissão, apesar de saberem que iam perder.”

Para a diretora, o objetivo é documentar esses instantes que determinavam o rumo do país. “Eu faço filmes para tentar compreender uma situação e uma sociedade. Fiz esse documentário para entender o impeachment e o que estava por trás disso. Quis olhar para o discurso político-jurídico e, através dele, descobrir esse momento histórico brasileiro”, explica Maria Augusta.

O filme O Processo junta-se então aos filmes brasileiros premiados em 2018 no Festival de Cinema de Berlim, a Berlinale, ao lado de Zentralflughafen THF, de Karim Ainouz (Prêmio Anistia Internacional) e Tinta Bruta, dos diretores gaúchos Marcio Reolon e Filipe Matzembacher (melhor longa-metragem no Teddy Awards) e Bixa Travesty, do casal Claudia Priscilla e Kiko Goifman (melhor documentário no Teddy Awards).

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.