Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/02 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/02 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/02 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/02 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/02 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/02 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/02 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/02 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Justiça britânica mantém ordem de prisão contra Assange

media Julian Assange está refugiado na Embaixada do Equador em Londres há quase cinco anos. REUTERS/Peter Nicholls

A justiça britânica decidiu nesta terça-feira (6) manter o mandado de prisão contra o australiano Julian Assange. O fundador do WikiLeaks é acusado de estupro na Suécia e pode ser preso se deixar a embaixada do Equador em Londres, onde está refugiado.

Os advogados de Assange alegavam que o mandado visando o australiano de 46 anos havia “perdido seu objetivo e sua função”, já que a Procuradoria sueca arquivou o processo em maio passado. Mas com a decisão de manter a ordem de prisão, o fundador do WikiLeaks pode ser preso a qualquer momento caso deixe a embaixada equatoriana.

O australiano se refugia na representação diplomática do Equador em Londres há quase cinco anos, temendo que as autoridades britânicas o entreguem para os Estados Unidos. Washington acusa Assange de ter publicado documentos oficiais secretos via WikiLeaks.

Desde a semana passada, Mark Summers, advogado do australiano, tenta argumentar, alegando que Assange vive em condições "semelhantes ao encarceramento" e que sua "saúde psicológica se deteriorou". No entanto, o promotor Aaron Watkins considerou o pedido de suspensão do mandado "absurda".

“Não estou convencida de que o mandado deva ser abandonado”, declarou nesta terça-feira a juíza Emma Arbuthnot, chefe da magistratura inglesa. Assange, que é acusado de abuso sexual contra duas jovens suecas, se diz inocente.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.