Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/04 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/04 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/04 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/04 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/04 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/04 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Membro do partido do governo da Áustria é acusado de apologia ao Holocausto

media Udo Landbauer, uma das novas figuras da extrema-direita austríaca, é acusado a apologia ao Holocausto. AFP PHOTO / DIETER NAGL

Um dos principais nomes do partido de extrema-direita FPÖ, que faz parte da coalizão do governo atual austríaco, está sendo acusado de apologia ao antissemitismo. Udo Landbauer dirigia um grupo radical que cantava hinos celebrando o Holocausto.

A revelação foi feita pela revista semanal austríaca Falter, que analisou documentos do Germania, um grupo de extrema-direita que teve uma de suas sucursais dirigida por Landbauer. Nos livros da corporação foram encontrados cantos fazendo apologia direta ao III° Reich, a Alemanha nazista.

Nas estrofes dos hinos revelados pode-se ler frases como “coloquem mais gás, chegaremos aos sete milhões”, uma alusão direta às câmaras de extermínio e à morte de 6 milhões de judeus dizimados durante a Segunda Guerra Mundial. Acusado de conivência, Landbauer, que conquistou 15% dos votos durante uma eleição local no domingo passado (28), afirma que desconhecia o teor dos cantos entoados pelo Germania e anunciou que se afastou do grupo.

Primeiro ministro austríaco teve que intervir

As revelações colocam o primeiro-ministro austríaco, Sebastian Kurz, em uma situação delicada. Afinal, o jovem premiê conservador do Partido Popular Austríaco (ÖVP), teve que se aproximar do FPÖ, após as eleições legislativas do ano passado, para formar seu governo e conseguir dirigir o país. Em um comunicado, Kurz classificou os textos divulgados pela revista Falter como “racistas, antissemitas e repugnantes”.

A oposição tenta excluir Landbauer da cena política, mas ele se beneficia do apoio do vice-chanceler Heinz-Christian Strache e do ministro do Interior Herbert Kickl, ambos membros influentes do FPÖ, partido de extrema-direita formado logo após a Segunda Guerra por nazistas.

Até agora, a única medida concreta do governo foi pedir a dissolução do grupo Germania, corporação que existe desde a Primeira Guerra Mundial.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.