Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/10 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/10 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Sindicatos alemães fazem protestos por jornada de 28 horas

media Primeira greve da IG Metall na rodada de negociação coletiva 2018 para indústria metalúrgica e elétrica no distrito IG Metall de Berlim-Brandenburg-Sachsen. Flickr/ IGmetallChristian von Polentz

Os sindicatos dos metalúrgicos da Alemanha iniciaram nesta segunda-feira (8) uma série de protestos para defender a jornada de trabalho de 28 horas semanais, principalmente para os empregados do setor automobilístico.

As paralisações envolvem empresas como Volkswagen, Porsche, Otis e Bombardier. Mais de 700 mil grevistas já anunciaram que vão participar do movimento, em 143 filiais espalhadas pela Alemanha.

A ideia é que os funcionários possam optar pelas 28 horas semanais, em vez das habituais 35, por um período máximo de dois anos, com uma compensação salarial. Ou seja, trabalhar menos, mas sem a perda de 20% do salário. Os protestos estão previstos para durar uma semana.

As empresas julgam a proposta “inadmissível” e “impraticável”. O argumento é que, se dois terços dos empregados que teriam direito ao benefício optarem pela redução da jornada, as linhas de produção ficarão vazias.

Aumento salarial

O conflito entre patrões e empregados do setor automobilístico alemão não é novo. Desde outubro, o sindicato exige que os 3,9 milhões de empregados do setor tenham um aumento salarial de 6%, mas a organização que defende os interesses do patronato, à Gesamtmetall propõe 2%.

A questão já foi objeto de grandes discussões entre o principal sindicato alemão e europeu, IG Metall, com 2,3 milhões de membros, e o patronato. Neste fim de semana, os sindicalistas ameaçaram organizar uma greve geral, o que não acontece desde 2003 no país.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.