Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 13/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 13/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 13/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 13/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 13/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 13/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Exemplos de igualdade, Noruega e Suécia têm onda de denúncias sexuais

media Jornal norueguês Aftenposten publicou denúncias de quase mil mulheres do meio artístico que sofreram algum tipo de agressão ou violência sexual ao longo da carreira. Aftenposten

Centenas de artistas da Noruega, considerada um dos países mais igualitários na questão de gênero no mundo, denunciaram estupros, ataques e assédios sexuais, em um manifesto publicado na imprensa do país.

"Vergonha e culpa devem ser para quem merece - para os que assediaram e para os que os protegeram", diz o documento assinado por 295 cantoras e publicado no jornal Aftenposten. Num texto separado, outras 706 músicas afirmam que "não há motivos para se pensar que a comunidade musical é melhor aqui".

Os dois documentos vêm na sequência de um outro manifesto de 500 atrizes norueguesas, divulgado na semana passada. Da mesma forma, na vizinha Suécia, 200 mulheres denunciaram agressões sexuais sofridas no passado.

De acordo com um relatório deste ano do Fórum Econômico Mundial, a Noruega ficou em segundo lugar entre os países que mais respeitam a igualdade entre homens e mulheres, à luz de critérios como igualdade salarial e o espaço dado nas mulheres na política e na economia. O ranking é dominado pelos países nórdicos: a primeira posição é ocupada pela Islândia; a terceira, pela Finlândia e a quinta, pela Suécia.

Agressões abafadas, sexismo ordinário

Além do documento, o Aftenposten publica diversos testemunhos anônimos de artistas que relatam violências, pressões e humiliações de caráter sexual. “Em Oslo, fui agredida por uma pessoa que eu conhecia. Na época, eu pensei que fosse uma coisa normal e eu não deveria denunciar”, afirma uma música. “Ao longo da minha carreira, recebi continuamente comentários sobre a minha aparência e minha sexualidade. Recebi inúmeras mensagens de colegas falando do meu físico, e nada sobre o trabalho que eu fazia”, disse uma cantora.  

No mundo inteiro, mulheres tomaram coragem de denunciar assédios, agressões e estupros desde as revelações sobre o famoso produtor de Hollywood Harvey Weinstein, acusado por cerca de 100 mulheres.

Com informações da AFP

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.