Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Alemanha enfrenta incertezas após fracasso na formação de coalizão

media A chanceler Angela Merkel durante negociações para formação de um governo de coalizão em 19 de novembro de 2017. REUTERS/Axel Schmidt

As negociações para a formação de um governo de coalizão entre conservadores, liberais e ecologistas fracassaram em Berlim e ameaçam o futuro da chanceler Angela Merkel. Os liberais, do partido FDP, renunciaram ao projeto ontem à noite (19) após mais de um mês de negociações.

O presidente do FDP, Christian Lindner, declarou preferir não governar a fazer um mau governo. As políticas migratória e de combate ao aquecimento global foram os principais pontos de atrito. Conservadores e liberais defenderam restrições à entrada de novos refugiados sírios e afegãos no país, mas os verdes não aceitaram a medida. Também não houve acordo sobre o fechamento das centrais de carvão.

Os ecologistas disseram que um acordo era possível, apesar das diferenças, e acusaram o FDP de negociar de má fé. Angela Merkel também lamentou o resultado e afirmou que fará todo o possível para que o país seja bem dirigido nas próximas semanas. No entanto, o resultado paralisa o governo e compromete o futuro da chanceler e do país.

Angela Merkel poderia perder cargo

Merkel, que defende uma política imigratória polêmica, foi obrigada a fazer aliados inesperados depois de não ter conseguido uma maioria nas eleições de setembro.

A chanceler se reúne nesta segunda-feira (20) com o presidente Frank-Walter Steinmeier para discutir suas opções. Como a Constituição não fixa um prazo para a formação do governo, três opções estão em jogo. Merkel poderá tentar uma reaproximação com os social-democratas do SPD, o que é pouco provável, já que eles preferem ficar na oposição; a segunda hipótese é a formação de um governo minoritário, símbolo de instabilidade no Parlamento; e a última opção seria a convocação de novas eleições em 2018.  

No caso de novas eleições, Merkel, que comanda o país há 12 anos, pode perder apoio dentro de seu próprio partido, já que alguns podem se questionar se ela é a melhor pessoa para liderar uma nova campanha eleitoral. A população também não está confiante no futuro da chanceler. Em uma pesquisa de opinião do Welt Online, 61.4% dos entrevistados afirmaram que o colapso das negociações significa o fim da era de Merkel como chanceler.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.