Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 21/11 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 21/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 21/11 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 20/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 20/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 20/11 14h00 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Custo do Brexit complica saída do Reino Unido da UE

Por
Custo do Brexit complica saída do Reino Unido da UE
 
A primeira-ministra britânica Theresa May REUTERS/Francois Lenoir

O principal representante da União Europeia para negociar o Brexit com o Reino Unido admitiu, no domingo (12), que o bloco está preparando uma espécie de plano B para o caso de um fracasso dos diálogos pela saída dos britânicos. As declarações de Michel Barnier aumentam ainda mais a pressão sobre o governo da primeira-ministra Theresa May.

Maria Luisa Cavalcanti, correspondente da RFI em Londres

Na última sexta-feira, no fim da sexta rodada de conversas entre o Reino Unido e a União Europeia, Michel Barnier deu aos britânicos um prazo de duas semanas para estipular claramente a quantia que devem pagar ao resto do bloco para se desligar. A reação foi, como sempre, de um certo desdém com as exigências europeias.

Na mesma entrevista coletiva em que Michel Barnier se pronunciou, o ministro britânico para o Brexit, David Davis, fez um apelo para que a União Europeia seja mais flexível. E pediu que os dois lados avancem logo para a próxima etapa do processo de saída, que é discutir o acesso que o Reino Unido poderá ter ao mercado comum europeu no futuro.

O prazo dado por Barnier é uma maneira de pressionar os britânicos a resolver uma questão crucial no Brexit. Se o Reino Unido não disser expressamente que está disposto a pagar o valor de cerca de € 60 bilhões para sair da União Europeia, os europeus não vão seguir adiante com as negociações. David Davis foi vago e disse que os britânicos ainda precisam reforçar sua autoconfiança antes de partir para esse próximo diálogo, que está marcado para começar em meados de dezembro.

Premiê sofre pressão

A pressão sobre Theresa May tanto dos europeus, como internamente, só aumenta. Já faz mais de sete meses que os britânicos evocaram o Artigo 50 do Tratado de Lisboa, oficializando sua decisão de sair do bloco europeu, mas até agora a população não recebeu nenhuma informação concreta sobre o futuro do país – principalmente no que diz respeito a outras duas questões que estão gerando muita ansiedade: o futuro dos cidadãos europeus que moram aqui e como fica a fronteira entre a Irlanda do Norte, que é parte do Reino Unido, e a República da Irlanda.

Insatisfação se reflete no governo

O governo enfrenta os mais baixos índices de confiança da população desde que Theresa May virou primeira-ministra, em julho do ano passado. Uma pesquisa divulgada na semana passada mostra que hoje praticamente metade dos britânicos duvida que May seja capaz de obter a melhor negociação possível para o Brexit.

Além disso, dois terços do eleitorado recriminam a maneira como o governo está negociando a saída com a União Europeia. E as notícias não parecem trazer nenhum alívio para Theresa May. Nesta terça-feira, a Câmara dos Comuns vota a chamada Lei da Retirada, que é uma formalidade para transpor as leis da União Europeia para a legislação britânica.

Mas um grupo de parlamentares contrários ao Brexit estaria planejando votar contra esta lei se Theresa May não der ao Parlamento o direito de examinar e até rejeitar qualquer acordo que o governo acabar fechando com a União Europeia até 2019.

Uma derrota como esta em Westminster pode colocar em xeque a sobrevivência de May no poder, em um momento em que o governo está sendo abalado por escândalos na frente diplomática e por envolvimento em casos de assédio sexual. No espaço de poucos dias, esses escândalos custaram as cabeças de dois ministros do alto escalão.

Demissão Boris Johnson

Agora é o ministro das Relações Exteriores, Boris Johnson, quem corre risco de ser demitido. Já faz tempo que existe uma campanha pedindo a demissão de Boris Johnson, por causa de gafes e de atitudes antidiplomáticas que, para muitos analistas, não condizem com alguém à frente de um cargo tão importante. Mas a gota d’água foi o caso de uma cidadã britânica que está presa no Irã e que pode ver sua pena estendida por causa de declarações equivocadas de Boris Johnson.

Para piorar, na noite de ontem foi vazada uma carta de Johnson e do ministro do meio-ambiente, Michael Gove, para Theresa May, na qual eles pedem que ela se concentre em obter o chamado “hard Brexit” e ignore os membros do gabinete que defendem o contrário. No entanto, muitos analistas acreditam que demitir Johnson seria fatal para Theresa May.


Sobre o mesmo assunto

  • Brexit

    Brexit: bancos do Reino Unido podem ter problemas para operar na UE

    Saiba mais

  • Rússia/Brexit

    Reino Unido acusa Rússia de influenciar Brexit pelo Facebook

    Saiba mais

  • UE está disposta a estender a mão para May nas negociações do Brexit

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.