Ouvir Baixar Podcast
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 20/01 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 19/01 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 19/01 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 19/01 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/01 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 19/01 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 19/01 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 14/01 08h33 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

O legado da Revolução Russa de 1917 está presente em todo o mundo

Por
O legado da Revolução Russa de 1917 está presente em todo o mundo
 
Estátua de Lenin en Yevpatoriya, Crimea. 10/01/17 REUTERS/Pavel Rebrov

A Rússia ainda não tem uma visão pacificada sobre o significado da Revolução de 1917 para a sua História e identidade. O evento que terá sido um dos mais importantes do século XX, não apenas para os russos, divide opiniões. Não há comemorações oficiais previstas. O governo não quer ouvir falar na palavra revolução. Estudiosos e comunistas, acham que é importante marcar a data.

Vivian Oswald, de Moscou, especial para a RFI

Entre a população, há os saudosistas, mas há também aqueles que acham que a revolução foi uma grande tragédia. Os símbolos comunistas continuam onde estavam desde a União Soviética.

O corpo de Vladimir Lenin continua no mausoléu, na entrada do Kremlin, de frente para um shopping center que já foi o principal centro de distribuição de alimentos aos soviéticos, que hoje ostenta marcas de luxo.

A principal avenida de Moscou tem o nome de Lenin. É nela que está o gigantesco monumento ao cosmonauta Yuri Gagarin, o primeiro homem a viajar pelo espaço em 1961. Em diversas áreas da cidade, não é raro vermos símbolos do capitalismo e do comunismo juntos.

Símbolos soviéticos convivem com o capitalismo

Ao lado do centro administrativo da Igreja Ortodoxa russa, que passa por reformas, está o emblemático prédio da Academia de Ciências, construído em 1974. Dali, vê-se do outro lado do rio Moscou a “City”, como é chamado o bairro de arranha-céus criado nos anos 2010 para ser o centro financeiro da Rússia capitalista.

Vamos lembrar aqui que a União Soviética demoliu igrejas, perseguiu e executou clérigos. Hoje, não muito longe da Lubyanka, a sede da antiga KGB, acaba de ser consagrada a Catedral dos Novos Mártires e Confessores da Rússia, em homenagem os mortos pelas repressões. Existem vários outros.

Mais de 9 milhões de pessoas frequentam o metrô de Moscou, talvez o mais bonito do mundo, construído durante a era do ditador Josef Stálin. Durante as obras, centenas de trabalhadores morreram. O metrô foi construído com os melhores materiais disponíveis para que o povo pudesse apreciá-lo.

Símbolos e figuras soviéticas estão em praticamente todas as estações. A foice e martelo inclusive. Impossível esquecer desta época usando o metrô. Tudo isso fala muito sobre a história da Rússia contemporânea.

Conquistas sociais permanecem

Mas é claro que muita coisa já não existe mais. No entanto, os historiardes destacam um legado social que vale não apenas para a Rússia, mas para o resto do mundo. Muito ficou, como a ideia da educação e da saúde gratuitas, de que todos têm que ter uma aposentadoria.

As russas, quando ficam grávidas saem em “Decreto”, o que existia na época de Lenin, que significa licença maternidade. As moças de hoje não têm ideia do que seja um Decreto, mas todo mundo entende quando uma mulher diz que vai sair em “decreto”. Vai ficar de licença e receber o seu salário durante afastamento.

Muitos princípios de esquerda que existem hoje, como igualdade entre mulheres e homens, respeito ao trabalho, ódio aos ricos, saúde e educação gratuitos e pensões. Em geral, a riqueza é um pecado e a ideia da justiça social persiste. E eles existem também no resto do mundo.

Hoje, como antes, existe um pequeno grupo de ricos e 20 milhões de pessoas que vivem abaixo da linha da pobreza. As pessoas se queixam de não poder viver com o dinheiro da aposentadoria.

Dizem que há variedade de produtos nos mercados, mas que ninguém compra por fala de dinheiro. Tudo isso engrossa o coro daqueles que se dizem saudosistas e daqueles que saem às ruas em protestos por uma vida melhor e o fim da corrupção.

Legado para o mundo

A Revolução alterou radicalmente todo o mundo. Modificou o Ocidente. Graças a essa influência surgiu um modelo social de mercado e o capitalismo foi reformado. Surgiu um capitalismo social democrático.

Mudou a Amérlca Latina e América Central, a Ásia e a África, com a desagregação dos sistema colonial anos anos 1960 que foi realizado no contexto esquerdista.

Segundo o historiador e ex-deputado da Duma Vladimir Rijkov, na China, maior país do mundo, Mao Tse Tung nunca venceria sem o grandíssimo apoio da URSS, que financiou, armou e providenciou conselheiros políticos para os chineses.

O que chama atenção segundo este historiador é ver como que o mundo pode ter sofrido tantas mudanças em função de um pequeno grupo de pessoas? Logo depois do desembarque de Lenin na estação Finlândia em São Petersburgo, os comunistas era 25 mil pessoas apenas. Em seis meses, passaram a 500 mil.

A revolução vista pelos russos

Já os russos não têm um consenso sobre o significado da revolução. Há aqueles que condenam outubro de 1917 como uma grande tragédia pra o país e há também aqueles que considerem um momento importante da história em que a Rússia era forte, venceu a Segunda Guerra Mundial, deu um salto científico e se opôs aos Estados Unidos.

Para muitos estudiosos há fatores positivos e negativos. O modelo seria considerado positivo porque, claro que URSS causou muitas vítimas, principalmente sob Stálin, mas era muito progressista, para a educação geral, o desenvolvimento da ciência, tecnologia, indústria, igualdade dos sexos, liquidação da hierarquia feudal.

Além disso, a Rússia manteve-se como potência mundial. Para muitos a revolução é considerada um passo para a modernização. Por esta razão, há muitas leituras e interpretações do que aconteceu ainda hoje.

O pesquisador do Instituto de História Russa Kirill Soloviev disse que ainda é cedo para avaliar, que pouco tempo se passou desde a revolução e o fim da União Soviética.

O governo preferiu a leitura da Rússia forte. Faz questão de destacar as suas glórias, vitórias e o militarismo. Claro, isso convém ao presidente Vladimir Putin.


Sobre o mesmo assunto

  • Centenário/ Revolução

    Passado soviético assombra celebração de centenário da Revolução Russa

    Saiba mais

  • Rússia

    Rússia: opositor Navalny deixa prisão e vai para comício contra Putin

    Saiba mais

  • Geopolítica

    Rússia lança exercícios militares nas fronteiras da União Europeia

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.