Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Espanhóis se manifestam contra referendo da independência da Catalunha

media Barcelona: nacionalistas espanhóis protestam contra o referendo em frente ao palácio do governo catalão. REUTERS/Yves Herman

Milhares de pessoas com bandeiras da Espanha se manifestaram neste sábado (30) em diversas cidades do país em defesa da unidade nacional. Neste domingo, os catalães tentarão realizar o referendo de autodeterminação convocado pelos separatistas, apesar da proibição da Justiça.

Em Madri, os manifestantes se concentraram em frente à Prefeitura, na Plaza de Cibeles, no coração da capital, convocados por um coletivo conservador - a Fundação para a Defesa da Nação Espanhola (Denaes).

Em meio a uma onda de bandeiras nacionais, os manifestantes carregavam faixas com mensagens como "Catalunha é Espanha", "viva Espanha" e até "Prisão a Puigdemont", em referência ao presidente regional catalão, Carles Puigdemont.

“Na Espanha não há um líder”

"Não devíamos ter chegado a isto. Chegamos a um ponto sem volta", lamentou à AFP Fernando Cepeda, um engenheiro de 58 anos que foi à manifestação com uma camiseta na qual estava escrito um artigo da Constituição espanhola: "A soberania nacional reside no povo espanhol, do qual emanam os poderes do Estado".

Ao seu lado, Rafael Castillo, também engenheiro, mostrava-se crítico ao governo espanhol: "O Estado tem que fazer política, tem que convencer de que o melhor é ficarmos juntos, em vez de repetir o tempo todo que o referendo é ilegal. Mas na Espanha não há nenhum líder".

Já o professor de matemática Eduardo García, de 32 anos, acusou os nacionalistas catalães de terem instigado "os sentimentos mais baixos do povo", ao pedir a independência perto da crise econômica dos últimos anos. "Isso tudo é muito triste", lamentou.

"Pela unidade nacional"

Em Barcelona, uma manifestação similar reuniu centenas de pessoas na praça Sant Jaume, onde ficam a Prefeitura e o palácio da Generalitat, órgão regional do governo da Catalunha.

Também houve concentrações pró-unidade da Espanha em Valladolid, Santander, Sevilha, Málaga (sul), Córdoba (sul), Valência (leste), Palma de Mallorca (leste), Alicante (sudeste), Zaragoza (nordeste), entre outros locais.

Na Galícia (noroeste), foram convocadas manifestações em La Coruña e em Santiago de Compostela. Nesta última, aconteceu também uma marcha a favor do referendo de autodeterminação da Catalunha, na qual se viram bandeiras separatistas galegas e catalãs. Houve ainda pequenas concentrações a favor da consulta em Madri.

País Basco a favor

A mobilização a favor da unidade da Espanha teve um contraponto no País Basco (norte), região onde também existe um forte sentimento nacionalista. Em Bilbao, cerca de 40 mil pessoas, segundo a organização convocadora, Gure Esku Dago, foram às ruas defender a consulta, levando bandeiras separatistas catalãs.

"A voz do povo não pode ser vetada, não pode ser censurada, nem silenciada. É impossível. A democracia não pode ser bloqueada", escreveu a organização em sua conta no Twitter, referindo-se ao bloqueio dos colégios eleitorais ordenado pela Justiça na Catalunha.

(Com agência AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.