Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

Mais de 700 prefeitos protestam em Barcelona para pedir independência da Catalunha

media Prefeitos da Catalunha se reuniram em Barcelona para demonstrar apoio ao referendo pela independência da região. REUTERS/Albert Gea

Aos gritos de "votaremos" e de "independência", mais de 700 dos 948 prefeitos da Catalunha protestaram neste sábado (16), em Barcelona, para apoiar a organização do referendo de autodeterminação para essa região do nordeste do país. O voto, marcado para 1° de outubro, é considerado ilegal por Madri.

Os prefeitos cantaram o hino catalão, "Els segadors", enquanto outros manifestantes, muitos deles com bandeiras separatistas, davam seu apoio do lado de fora da sede do governo: "estamos com vocês!".

Ada Colau, prefeita de esquerda de Barcelona, a capital catalã, mostrou sua "solidariedade" aos prefeitos pró-referendo, recebendo-os na Prefeitura. "É uma vergonha: um Estado incapaz de amparar o povo da Catalunha, um Estado incapaz de oferecer uma resposta política", criticou Ada. No entanto, a prefeita evitou se envolver diretamente na organização do referendo, embora tenha anunciado que os habitantes de Barcelona poderão votar, mas sem explicar como.

Separatistas são maioria no Parlamento regional

Mais de dois terços dos prefeitos da Catalunha se comprometeram a ceder locais em suas jurisdições para votar no referendo convocado pelo governo regional. A consulta foi declarada ilegal pelo Tribunal Constitucional e conta com a oposição do governo de Madri.

Os separatistas são maioria no Parlamento regional desde 2015, mas a sociedade catalã se mostra muito dividida diante da independência, segundo as pesquisas. Nas eleições regionais de setembro de 2015, os partidos separatistas obtiveram 47,6% dos votos. Os defensores da permanência na Espanha somaram 51,28%.

Em meio à polêmica, 70% dos catalães são a favor de resolver a questão por meio de um referendo.

Na noite de sexta-feira (15) em Barcelona, o chefe de Governo espanhol, Mariano Rajoy, alertou os separatistas para que "não subestimem a força da democracia espanhola". Em resposta, o presidente catalão, Carles Puigdemont, disse ao receber os prefeitos que não se deve subestimar a força do povo da Catalunha, “que optou por decidir".

Na quarta-feira (13), a Procuradoria-Geral da Espanha ordenou aos procuradores da Catalunha que convoquem judicialmente – na qualidade de "investigados" – os prefeitos dispostos a cooperar com a "organização do referendo ilegal". Caso não compareçam, os representantes poderiam ser detidos.

(Com informações da AFP) 

 
O tempo de conexão expirou.