Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 17/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 17/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Alemanha e França encontram novos restos de experiências nazistas macabras

Alemanha e França encontram novos restos de experiências nazistas macabras
 
Capa da edição da L'Obs com médicos nazistas. DR

Passados 72 anos do fim da Segunda Guerra Mundial, novas revelações sobre experiências atrozes de médicos nazistas continuam surgindo dos porões de institutos de pesquisa e hospitais na Alemanha e na França. O assunto é o tema de capa da edição semanal da revista francesa L’Obs.

Em junho, o Instituto Max Planck de Berlim, um dos organismos de pesquisa mais renomados da Alemanha, encontrou em seus depósitos restos de uma coleção de cérebros de vítimas da "Ação T4", codinome da operação secreta de "eutanásia" do regime nazista, que visava exterminar deficientes e pessoas com problemas neurológicos desconhecidos na época.

Esses seres eram tratados por Hitler como "inúteis" ou "indesejáveis", porque maculavam seu projeto de povoar a Alemanha com uma "raça ariana", "pura", considerada por ele como superior. Entre as vítimas, havia crianças e adolescentes que às vezes sofriam apenas de epilepsia, hiperatividade ou dislexia. Mas eram vistos como "indesejáveis", na retórica hitleriana, e foram assassinados por "interesse científico".

Os cérebros encontrados nos porões do Instituto Max Planck de Berlim foram objeto de estudo do neuropatologista Julius Hallervorden, que na década de 1940 tinha um laboratório de pesquisa no local. A reportagem da L’Obs relata as experiências desse médico e de seus comparsas. O neuropatologista recolheu 700 cérebros vindos dos seis centros de eutanásia instalados pelo regime nazista na Alemanha, incluindo os de um comboio de 58 crianças e adolescentes exterminados em outubro de 1940.

O médico nunca foi importunado pela justiça depois da guerra. Diante do achado de novos restos, o Instituto Max Planck iniciou em junho deste ano um trabalho minucioso para identificar as 700 vítimas da coleção do "doutor" Hallervorden.

França teve experiências em universidade ocupada  

No Instituto de Medicina Legal da Universidade de Estrasburgo, no leste da França, uma descoberta macabra similar, de restos humanos provenientes de experiências científicas do regime, foi revelada pelo médico legista e historiador francês Raphael Toledano.

Durante a ocupação da cidade, o médico nazista August Hirt chefiou um laboratório na universidade e constituiu uma coleção de esqueletos de judeus. Os corpos foram deportados diretamente das câmaras de gás do campo de extermínio de Auschwitz. Testes estão em curso na universidade francesa para identificar lâminas com restos de tecidos manejados pelo sinistro "doutor" Hirt.

Quando se pensava que os historiadores já tinham esmiuçado tudo sobre os métodos nazistas, a reportagem da L’Obs mostra que a tarefa continua inacabada.


Sobre o mesmo assunto

  • RFI CONVIDA

    Entender o nazismo é importante para a juventude, diz autora e tradutora de livro sobre Hitler

    Saiba mais

  • Alemanha

    Ex-contador de Auschwitz de 96 anos é declarado apto para prisão

    Saiba mais

  • Alemanha/indenização

    Alemanha vai indenizar homens presos pelos nazistas por serem homossexuais

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.