Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/07 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/07 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Europa

ONG denuncia violência policial contra migrantes em Calais

media Apesar da remoção da "Selva de Calais", conflitos entre migrantes e a polícia continuam. ©Michael Robinson Chavez/gettyImages

A ONG de Nova York Human Rights Watch publicou nesta quarta-feira (26) um relatório denunciando diversos atos de violência policial cometidos contra os migrantes da cidade francesa de Calais.

Segundo o relato de 60 refugiados, incluindo 31 crianças, os ataques com spray de pimenta acontecem durante o sono, causando sensação de queimadura no rosto e nos olhos, garganta apertada, falta de ar e desorientação.

Os policiais, além disso, aplicam o gaz nos alimentos, impedindo o consumo, e nas roupas, que devem ser imediatamente lavadas. A HRW vê a prática como uma maneira de obrigar os migrantes a saírem da região, que funciona como uma ponte entre a França e a Inglaterra. No ano passado, a polícia desocupou os acampamentos que formavam a chamada “Selva de Calais”, onde se aglomeravam aproximadamente 7.000 pessoas vindas em sua maioria do Afeganistão, da Eritreia e da Etiópia.

Inferno no eldorado

Biniam T., de 17 anos, disse que “eles vêm quando estamos dormindo, aplicam o gaz de pimenta e roubam todas as nossas coisas, incluindo nossas cobertas. Eles fazem isso a cada dois ou três dias. Não esperava ser tratado dessa forma na Europa”.

A jovem Aster N., também de 17 anos, declarou: “Se nosso país não estivesse em guerra, nenhum de nós teria escolhido essa vida. Quem gostaria de viver assim? Quem escolheria essa situação? Se estivéssemos seguros em nossa casa, por que nós viríamos aqui?”.

Reação urgente

A HRW exige que as autoridades municipais e departamentais e o Ministério do Interior proíbam aos policiais o uso de spray de pimenta em migrantes. A ONG também sugere a criação de um guichê para os que desejam pedir asilo ou transporte gratuito para outras cidades onde o pedido possa ser feito, além de uma maior cooperação do governo com os grupos humanitários que atuam no local. 

“É absolutamente condenável que policiais utilizem gaz de pimenta em crianças e adultos que estão dormindo. Quando policiais destroem ou confiscam roupas ou comidas dos migrantes, eles não somente rebaixam a profissão, mas atacam aqueles que deviam estar defendendo”, declarou Bénédicte Jeannerod, diretora do Human Rigths Watch na França.

O vice-prefeito de Calais categorizou as acusações de calúnias. A HRW argumentou que o relatório se baseia em diversos relatos coerentes e detalhados.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.